sexta-feira, 26 de novembro de 2010

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Muita gente foi pega de surpresa quando Andy Taylor juntou-se a Power Station, logo após a dissolução do Duran Duran, em 1984. Com um approach muito mais rocker do que sua banda anterior, Mr. Taylor mostrou que sabia fazer muito mais do que havia mostrado até então. Mas ele surpreendeu novamente quando lançou, em 1987, o excelente "Thunder", um dos álbuns mais bacanas da década de 80, na minha modesta opinião. Acompanhado de músicos veteranos, Andy Taylor revelou-se um ótimo vocalista e se aventurou pelo mais tradicional Top 40 AOR que os U.S.A. tanto produziam. O resultado foi matador!

O álbum abre em alta rotação com "I Might Lie" (assista ao vídeo aqui), rocker arrasador que traz as guitarras em primeiro plano e que tem um refrão empolgante, além da melodia frenética. Mas a minha canção favorita é "Dont Let Me Die Young" (assista ao vídeo aqui), com sua introdução mid-tempo, sempre crescente, além da melodia toda cadenciada pela bateria precisa de Mickey Curry e pela guitarras de Steve Jones (sim, aquele ex-Sex Pistols). Vocais bem colocados garantem a diversão sem nenhum incidente. Ouça sem a menor moderação! E na sequência surge "Life Goes On", balada tradicional, sem nenhuma novidade. O destaque aqui fica pelo excelente trabalho das guitarras e pela linha pesada do baixo de Patrick O'Hearn, que confere volume à melodia. Canção bacana, que desce fácil e que cumpre seu papel de baixar a adrenalina.

Seguimos com "Thunder", rocker bacana e feito para tocar em rádio. Gosto bastante do baixo em primeiro plano e do teclado discreto - cortesia de Brett Tuggle - que permeia toda a canção. Se não é nenhuma maravilha, também não faz feio. Já "Night Train" é um mid-pacer onde o baixo, mais uma vez, assume a frente e mantém toda a melodia juntamente com um teclado bem discreto. Apesar de ser uma canção onde as guitarras quase não aparecem, quando o fazem roubam a cena sem cerimônia. E "Tremblin'" mostra uma melodia mais pesada e que, talvez, funcionasse melhor com menos teclados. A bateria e o baixo assumem a frente - mais uma vez - e as guitarras são coadjuvantes nesse cenário. Canção interessante, apesar de não ser uma das que eu mais gosto. Uma simples mudança no arranjo, entretanto, transformaria tudo.

Na reta final temos "Bringin' Me Down", um mid-pacer com peso e muito, muito bacana. A melodia parece uma mistura de "I Might Lie" com "Don't Let Me Die Young", mas com andamento mais cadenciado. Outra canção que eu curto muito nesse trabalho, onde as guitarras voltam à cena com mais destaque. E gosto muito de "Broken Window" e seu baixo pulsante, bateria bem marcada e guitarras muito bem postadas ao longo da melodia, além dos teclados mais contidos. Fechamos o caixão com a instrumental "French Guitar", canção que é um desfile de teclados e piano e bateria, onde a guitarra só aparece na metade da canção. Vá entender...

Recomendo esse álbum à todos que torcem o nariz quando se fala do Duran Duran. Não pela banda, mas sim pelo excelente guitarrista que a integrava. Andy Taylor participou da trilha sonora de inúmeros filmes e seriados de televisão na segunda metade da década de 80, e ainda gravou mais um álbum - o poderoso "Dangerous" - muito diferente deste. Se manteve ativo durante toda a década de 90, gravando várias canções, integrando algumas bandas e gravando com o amigo Luke Morley (ex-Thunder e atual The Union). Inclusive, Andy Taylor foi o produtor do clássico "Backstreet Symphony", de 1991, além de tocar no álbum.

Ele voltaria ao Duran Duran em 2004 e deixaria a banda mais uma vez, dois anos depois. Hoje, ele está envolvido com uma série de projetos e rumores dão conta de que lançará um novo álbum solo em 2011. Torço para isso...

ANDY TAYLOR - Thunder
Released in 1987 on MCA Records
Cat. #MVCM - 21057 (Japanese Edition)

Tracklist
01. I Might Lie
02. Don't Let Me Die Young
03. Life Goes On
04. Thunder
05. Night Train
06. Tremblin'
07. Bringin' Me Down
08. Broken Window
09. French Guitar

Musicians
Andy Taylor - vocals, guitars
Steve Jones - guitars
Mickey Curry - drums
Brett Tuggle - keyboards
Patrick O'Hearn - bass
Paulinho Da Costa - percussion
Mark Volman - backing vocals
Howard Kaylen - backing vocals

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...