sexta-feira, 23 de maio de 2014

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Não resta dúvida de que David A. Saylor é um dos grandes vocalistas do universo AOR. Com passagens por bandas como Push U.K. e Wild Rose, seus registros também incluem um belo álbum solo e um igualmente excelente E.P. lançado no ano passado. Agora, ele retorna ao cenário com "Strength Of One", um maravilhoso álbum que apresenta aquela sonoridade mais clássica do AOR que tanto adoramos. Com edição limitada a 1000 cópias, esse trabalho certamente se esgotará em breve, como ocorreu com "Kiss Of Judas", o E.P. mencionado acima. E se a sua praia abrange o AOR clássico, "Strength Of One" lhe reserva excelentes surpresas.

O rocker "Beaten Black & Blue" abre o álbum trazendo guitarras à frente, acompanhadas por teclados discretamente postados em segundo plano Além do arranjo simples e andamento tradicional, essa canção conta com um refrão explosivo e contagiante, daqueles que todo  AOR deve ter, e esse conjunto de elementos faz desse um dos grandes momentos do álbum, assim como a descomunal "Caught In The Middle", um radio friendly AOR matador, onde os versos tem um approach mais suave, calcado na linha de baixo pontuada por teclados certeiros, mas que traz um refrão emocionante e memorável, daqueles que ficam ecoando na cabeça por dias. Uma canção simplesmente maravilhosa e que merece múltiplas audições no volume máximo. Já "Don't Say Goodbye" é uma linda balada que conta com o baixo em primeiro plano, cuja linha é pontuada por guitarras calculadamente despretenciosas. O arranjo e andamento seguem a escola mais tradicional do AOR, sonoridade que também está presente no refrão que conta com teclados ocasionais. Ainda, há uma mudança de tempo na segunda parte da canção, o que me pareceu desnecessário, já que o formato "power ballad" funcionava perfeitamente. Enfim, ouçam e tirem suas próprias conclusões. Mas "Falling Star" se mantém fiel ao estilo "power ballad" em todos os quesitos, desde arranjo e andamento, passando por melodia e métrica. Mas o grande detalhe aqui é a presença de Gabrielle De Val Koenzen, vocalista da banda The Val. As vozes de Saylor e  Koenzen contrastam perfeitamente e fazem dessa canção outro grande momento do álbum.

Seguimos com "Flying High", onde as guitarras e teclados se revezam por sua atenção em outro radio friendly AOR caprichado. Com andamento dinâmico, essa canção conta com teclados mais evidentes no refrão e com um belíssimo solo de guitarra. Satisfação garantida para os amantes dos bons sons, fato que se repete na ótima "How Do I Believe?", rocker que conta com uma linha melódica envolvente nos versos, crescente nas b-sections e arrebatadoras no refrão absolutamente arrepiante. Uma canção perfeita para ser ouvida naquele dia de sol, com as janelas abertas e volume máximo. Recomendo múltiplas audições dessa canção que está incluída na lista dos grandes momentos desse álbum, sem dúvida alguma. Já "It Must Be Love" traz uma sonoridade mais contida e que flerta com o westcoast. Baixo e guitarras se alternam com maestria na linha de frente, fato privilegiado pelo arranjo e evidenciado pelo andamento bem marcado. O refrão se destaca de maneira discreta dentro do conjunto, mas não passa indiferente. Essa é uma canção que agradará em cheio os fãs do westcoast, mas não somente. Pessoalmente, gostei bastante, assim como a absolutamente 80's "My Heart Ain't Feelin' Nothing",um mid-pacer contagiante e que te transporta para a primeira metade da década de 80. Essa canção traz fortes influências westcoast, especialmente na métrica, arranjo e interpretação. O refrão também reforça essa ideia que caiu bem no tracklist. Mais um belo momento do álbum que merece sua atenção.

David Antonio Saylor
Na reta final do álbum temos a excelente "Now You're Leaving", um mid-pacer que traz os teclados para a linha frente, mas sempre acompanhados por guitarras bem colocadas ao longo dos versos mais lentos, mas que adotam o andamento mais tradicional no refrão, que conta com com um excelente solo de guitarra na segunda parte da canção, fazendo dessa canção mais um belo momento do álbum, assim como "Welcome To The Show", rocker que resgata uma sonoridade que me remete ao início dos anos 80 (uma vez mais) e que, mesmo sem ter o impacto das canções anteriores, não faz feio. E o álbum fecha com "Why Does Our Love Have To End?", um mid-pacer tradicional (composto por Steve Harris, do Shy) com arranjo que mescla o andamento do westcoast com a melodia AOR, uma mistura que se provou muito eficiente ao longo dos anos. Me agradou muito a métrica e, principalmente, a interpretação magistral de Mr. Saylor, fazendo dessa canção outro grande momento do álbum e o encerrando com chave de ouro.

Em resumo, caríssimas e caríssimos, "Strength Of One" é, sem dúvida alguma, o melhor trabalho de David A. Saylor até o momento. Um álbum absolutamente consistente, coeso, repleto de grandes canções e interpretações espetaculares e que merece estar em sua coleção. Como já havia dito, são apenas 1.000 cópias e você pode adquirir o seu aqui. Sugiro que você se apresse!!!

DAVID A. SAYLOR - Strength Of One
Released in May 2014, via AOR Blvd. Records
Cat. #007

Tracklist
01 Beaten Black & Blue
02 Caught In The Middle
03 Don't Say Goodbye
04 Falling Star (With Gabrielle De Val Koenzen)
05 Flying High
06 How Do I Believe?
07 It Must Be Love
08 My Heart Ain't Feelin' Nothing
09 Now You're Leaving
10 Welcome To The Show
11 Why Does Our Love Have To End?

Musicians
David A. Saylor: vocals
Brett Hammond: guitars
David Mark Pearce: guitars
Nik Lloyd: guitars
Alfonso Samos: guitars
Laurence Archer: guitars
Paul Pryor: bass
Romany May: backing vocals
Christian Antonio: backing vocals
Georgia Florence: backing vocals
Suzi Ashby: backing vocals
Gabrielle De Val Koenzen: backing vocals

3 comentários:

adriana disse...

Juliano, your review on this album is awesome and I'm still waiting for mine to arrive with much anticipation.

Juba.San disse...

You got yourself an awesome album, Adriana...

adriana disse...

And what an awesome album it is! His golden voice shines on each and every song, in particular the ballads and sings with such emotion, that really touches the heart.

I really enjoyed the up-tempo songs especially “caught in the middle” which is taken from his first release that is very and hard rare to find. I even found “must be love” very different to the original version but both are very good.

In my opinion, I have to say that David's album and Sonic Station are in the top 5 list, but personally David's album will be the winning one.

A killer album, that I will be listening to over and over again.

David Saylor Rocks!!!!!

p.s I do hope there will be more albums in the same vein coming in the near future.



Postar um comentário

O IMPRESSIONANTE BOXSET DE "1987", CLÁSSICO DO WHITESNAKE

Grande clássico do Whitesnake ganha edição caprichada  para  comemorar seu  30º aniversário Lançado em 04 de Abril de 1987, o álbum ...