sexta-feira, 8 de agosto de 2014

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

A origem do Seven nos leva até a África do Sul (?!?!?) no final da década de 80, quando a banda ainda se chamava Face To Face. A banda foi reunida em 1989 e gravou apenas dois singles (ambos produzidos por John Parr), abriram shows para Richard Marx e The Monkees (entre outros) antes que desaparecessem tão rápido quanto surgiram. Os anos passaram e o movimento AOR quase morreu na década de 90, mas 24 anos depois, a banda retorna ao cenário com "7", seu primeiro álbum e que conta com a formação original que gravou aqueles (hoje raríssimos) singles nos anos 80. O que você tem aqui é uma avalanche do melhor 80's radio friendly AOR, cuidadosamente atualizado e executado à perfeição.

O álbum apresenta uma série de canções memoráveis e pegajosas (no melhor dos sentidos), daquelas que ficam ecoando por dias na cabeça. Tomem, por exemplo, as matadoras "Shoot To Kill" e "Inside Love" (essa última foi a primeira canção lançada pela banda, em Janeiro de 1990), duas canções simplesmente arrebatadoras, com refrões explosivos e melodias mais que envolventes. Logo de cara, você percebe que adquiriu um excelente álbum.

Mas antes que surja alguma desconfiança, posso atestar que "Still" (que carrega uma evidente aura "Foreigneriana", especialmente nas guitarras, teclados e métrica), "Headlines" e "Strangers" (originalmente lançada como b-side de "Man With A Vision", em 1990) mantém a linha radio friendly AOR com propriedade, trazendo mais daqueles refrões caprichados que tanto gostamos e .

Pacificando a matéria, "America" (que me faz lembrar do FM, circa 1986), "Thru The Night" (com sua linha de guitarra intermitente), a frenética "Never Too Late", "Don't Break My Heart" (uma das nelhores canções do álbum, com certeza) e a arrepiante "Say Goodbye" mostram que o Seven se embebedou desavergonhadamente na fonte do melhor 80's AOR, resgatando não apenas a sonoridade da época, mas também as estruturas melódicas tão recorrentes naquele período. E esse é um dos fatores que distancia a banda de tantas outras que se arriscam com essa estratégia.

Ainda, vale mencionar "Diana", uma linda balada toda construída sob uma base (quase) solitária de piano,a companhada por teclados ocasionais, no momento mais intimista - e musicalmente surpreendente - do álbum. A edição japonesa conta com "Charlie", uma power ballad explosiva e envolvente, com um refrão simplesmente impactante.

Seven, circa 2014:  Davey, McFarlane, Lefevre, Devine, Lane
Em resumo, nibelungas e nibelungos, se você procura um álbum que apresente equilíbrio entre a sonoridade 80's AOR e um approach mais contemporâneo, não resta dúvida que "7" é o que você procura. Não bastasse o impressionante conjunto de canções que compõe o tracklist (tão impressionante que é quase impossível apontar uma ou outra como destaque), a banda está em plena forma, como se percebe do começo ao fim do álbum. Contando com colaboradores de primeira categoria, o material ganhou ainda mais brilho e qualidade.

E há que mencionar as excelentes interpretações de Mick Devine, capaz de deixar envergonhados muitos figurões por aí. Por tudo isso, festejo o retorno do Seven ao cenário, desejando que este tenha sido apenas o primeiro de outros belos trabalhos dessa banda que merece um lugar de destaque em sua coleção. Se poder, corra atrás dos singles lançados em 1990, porque valem muito a pena também. Há rumores de que a banda chegou a gravar um álbum inteiro, que teria sido engavetado pela gravadora Polydor. Quem sabe, um dia esse material (se é que existe) apareça. 

 E, por hora, o Seven desponta como uma das maiores e melhores surpresas de 2014. 

SEVEN - "7" (Japanese Pressing)
Released on June 20th 2014,  via Rubicon Music
Cat. # RBNCD - 1164

Tracklist
01 Shoot To Kill
02 Inside Love
03 Diana
04 Still
05 Headlines
06 Strangers
07 America
08 Thru The Night
09 Never Too Late
10 Don't Braek My Heart
11 Say Goodbye
12 Charlie (Bonus Track)

Lineup
Mick Devine: vocals
Keith McFarlane: guitars, backing vocals
Pat Davey: bass, backing vocals
Simon Lefevre: keyboards, backing vocals
Austin "Oz" Lane: drums

Guest Musicians
Mike Slamer: guitars
Tommy Denander: guitars, keyboards
Lars Chris: guitars
Mark Mangold: keyboards
Adam Wakeman: keyboards
Fredrik bergh: keyboards
Didge Digital: keyboards
Tomas Coox: piano, strings arrangement
Shuji Matsumoto: fretless bass on "Strangers"
Andy Loos: bass
Josh Devine: backing vocals on "Inside Love"
Ben Devine: backing vocals on "Inside Love"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO

Caríssimas e caríssimos Hoje me dirijo à São Paulo para o show dos irlandeses do U2. Com isso, a Recomendação Da Semana não será...