sexta-feira, 1 de abril de 2016

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

O canadense Paul Laine já era nome conhecido no cenário melodic rock quando foi convidado a substituir Ted Poley como frontman do Danger Danger, em 1994. E depois de uma década, é ponto pacífico que sua passagem pela banda não apenas trouxe um novo ar, mas principalmente, conferiu uma nova cara sem descaracterizar a identidade consolidada e tão prezada pelos fãs. E mesmo com a volta de Poley - em 2009 - muitos fãs (e me incluo nesse grupo) gostariam de ver Laine colaborando novamente com o Danger Danger. É aí que Serafino Perugino entra em cena, presidente da Frontiers Records e responsável pela criação do The Defiants, trio que reúne um dos núcleos do Danger Danger em um álbum absolutamente revestido nos bons sons contidos nos excelentes "Four The Hard Way" (leia a resenha aqui) e "The Return Of The Great Gildersleeves" (leia a resenha aqui). Se você, assim como eu, faz parte desse grupo, prepare-se para uma monstruosa e espetacular viagem.

Passada a introdução absolutamente dispensável, a arrasadora "Love And Bullets" chega para estabelecer o tom do álbum, com guitarras onipresentes e baixo e bateria pesados. No melhor estilo Danger Danger, circa 2000, esse rocker conta com uma melodia empolgante e um refrão arregaçador, o que o torna um dos destaques do álbum, assim como a explosiva "When The Lights Go Down", rocker matador que tem um refrão explosivo, impulsionado por vocais cuidadosamente distribuídos e por um solo infernal de Rob Marcello. E "Waiting On A Heartbreak" surge como um dos grandes destaques do álbum, com teclados discretos pontuando a base de guitarra e baixo, além de Paul Laine registrar uma de suas melhores interpretações. E assim começa o álbum, com três canções entre os destaques do tracklist.

Mas ainda tem mais... muito mais!!!

A ótima "Runaway" tem um forte apelo radio friendly, com aquela melodia memorável e o tradicional refrão grudento. Outro grande destaque do álbum, essa canção me remete ao Danger Danger de 2009 e, sem muito esforço, você pode até imaginar Ted Poley cantando. Já "Lil' Miss Rock 'N' Roll" é um daqueles rockers com "costela" country mergulhada no molho melodic rock, comum em álbuns do Bon Jovi e Poison. Funciona bem e tem um refrão envolvente, mas apesar disso, não tem o mesmo impacto das anteriores. Enquanto isso, "Last Kiss" tem base e arranjo extremamente simples, indo direto ao ponto  com versos curtos e precisos, impulsionados por guitarras no melhor estilo "curto e grosso feito coice de porco", fazendo dessa canção mais um ótimo momento do álbum.

The Defiants: Bruno Ravel, Paul Laine e Rob Marcello
E depois de tantos rockers, "Save Me Tonight" surge como um mid-pacer excelente, com o baixo colocado em segundo plano na mixagem final, mas sem prejuízo algum. Arranjo, métrica e melodia são muito agradáveis, além do refrão delicadamente marcante. Essa canção é, sem dúvida alguma, mais um grande destaque do álbum, assim como "Take Me Back", rocker empolgante que me remete, uma vez mais, à sonoridade do Danger Danger, circa 2009. Guitarras à frente, baixo e bateria acompanhando de perto em segundo plano e um teclado ocasional que integra bem o conjunto - além de um refrão arrebatador - fazem dessa canção outro destaque do álbum. Enquanto isso, "We All Fall Down" remete aos bons sons do Danger Danger, circa 1997, onde os teclados tem um pouco mais de espaço, mas nunca em detrimento das guitarras que monopolizam a cena. A melodia é empolgante, o refrão é excelente e o conjunto desses elementos faz dessa canção mais um destaque do álbum, assim como o arrebatador mid-pacer "That's When I'll Stop Loving You", onde o baixo faz a base, pontuada por guitarras melancolicamente melódicas e que passeiam pela melodia envolvente até culminar em um refrão impactante, onde surge um teclado discretíssimo para enriquecer o conjunto em mais um belíssimo momento do álbum. Finalmente, "Underneath The Stars" é um rocker frenético, com um apelo bastante contemporâneo e que não me agradou muito. Não é ruim, mas fica indiferente dentro do contexto apresentado pelo tracklist.

Em resumo, caríssimas e caríssimos, o primeiro álbum do projeto The Defiants é o melhor trabalho que o Danger Danger nunca lançou. Se você é familiarizado com os sons da banda, certamente notará os elementos tão evidentes nos trabalhos lançados entre 1997 e 2000. Uma boa e saudável dose de nostalgia está presente em "The Defiants" e nem poderia ser diferente, haja vista os três integrantes já terem integrado o lineup do Danger Danger. A proposta do trio é a mesma e certamente vai satisfazer, de maneira plena, os fãs do bom e velho melodic rock. Canções bem construídas, musicalidade eficaz e interpretações mais que acertadas fazem de "The Defiants" um álbum obrigatório...

THE DEFIANTS - The Defiants
To be released on April 15th, via Frontiers Records
Cat. #FR CD 729

Tracklist
01 Intro (For A Few Dollars More: Carillon's Theme)
02 Love And Bullets
03 When The Lights Go Down
04 Waiting On A Heartbreak
05 Runaway
06 Lil' Miss Rock 'N' Roll
07 Last Kiss
08 Save Me Tonight
09 Take Me Back
10 We All Fall Down
11 That's When I'll Stop Loving You
12 Underneath The Stars

Lineup
Paul Laine: vocals
Bruno Ravel: bass, guitars, keyboards
Rob Marcello: guitars

Guest musicians
Van Romaine: drums

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MIKKEY DEE FALA SOBRE OS SCORPIONS

Mikkey Dee é o atual batera dos Scorpions Há pouco mais de um ano, o sueco Mikkey Dee foi anunciado como baterista oficial dos Scorpio...