sexta-feira, 10 de novembro de 2017

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Quando as gravações do álbum que viria a ser "Into The Fire" começaram, em Agosto de 1986, o canadense Bryan Adams tinha a ingrata tarefa de, ao menos, igualar o clássico e monstruoso "Reckless", lançado dois anos antes. Adams manteve praticamente a mesma banda e mergulhado em temas mais adultos e com uma sonoridade menos óbvia, mas igualmente com alta qualidade, o excelente "Into The Fire" chegou às lojas no fim de Março de 1987. Um álbum mais encorpado musicalmente e também mais trabalhado, ainda é um dos mais injustiçados lançamentos na carreira de Adams. E nem é tão difícil perceber o porque.

O álbum traz, logo de cara, a matadora "Heat Of The Night", um rocker elaborado, com piano, baixo e guitarras em primeiro plano disputando sua atenção. Em um arranjo excelente, o refrão explosivo emerge como um tapa na cara, mas menos evidente e com mais classe, da mesma maneira que ocorre na linda "Into The Fire" e na frenética "Another Day", ambos rockers caprichados e muti bem construídos, onde a versatilidade da dupla Adams/Vallance se evidencia. Volume máximo, air guitars liberadas e nenhuma moderação, por favor.

Outras doses cavalares de bons sons se apresentam na descomunal "Only The Strong Survive" (que foi escolhida para integrar a trilha sonora de "Top Gun", mas Adams recusou a oferta dizendo que não queria uma canção sua em um filme que 'glorificava a guerra') e na empolgante "Hearts On Fire", com sua métrica quase amadora e refrão simples, mas altamente eficiente.

E não existe álbum de Bryan Adams sem baladas, e essa característica está mais que bem representada na intimista "Victim Of Love", na belíssima "Native Son", na emocionante "Rebel" (gravada por Roger Daltrey em 1985) e na espetacular "Home Again". Esse conjunto de baladas pode figurar, facilmente, entre os melhores momentos da carreira do canadense e cada uma dessas canções é merecedora de múltiplas audições e volume máximo, pode acreditar.

Bryan Adams, circa 1987
Em resumo, caríssimas e caríssimos, no ano que completa três décadas de seu lançamento, afirmo sem medo que "Into The Fire" é o álbum que eu mais curto na fase oitentista de Bryan Adams. E grande parte dessa predileção vem da direção musical que o álbum tomou, se arriscando em temas e sonoridades mais densas ao invés de investir na musicalidade mais que bem sucedida representada em seu trabalho anterior. O álbum "Into The Fire" teve desempenho espetacular nas paradas (atingiu a posição #7 no Billboard Hot 200), mas é fato inegável que ficou na sombra de "Reckless". Entretanto, reafirmo minha preferência por esse álbum por todos os motivos anteriormente elencados, mas também e fator determinante essa ter sido a primeira tour de Bryan Adams que assisti (em um hoje distante 1988). Seja como for, se você ainda acha que Bryan Adams se resume ao que seu arrebatador álbum de 1984 representa, acredite, você está muito, mas muito equivocado!!! O excelente "Into The Fire" é, sem dúvida alguma, um dos mais consistentes e bem-elaborados álbuns de toda a carreira de Bryan Adams e, assim sendo, esse álbum é muito mais que recomendado.

BRYAN ADAMS - Into The Fire
Released in 1987, via A&M Records (Japan)
Cat. #D32Y3149

Tracklist
01 Heat Of The Night (Assista ao vídeo aqui)
02 Into The Fire
03 Victim Of Love (Assista ao vídeo aqui)
04 Another Day
05 Native Son
06 Only The Strong Survive (Assista ao vídeo aqui)
07 Rebel
08 Remembrance Day
09 Hearts On Fire (Assista ao vídeo aqui)
10 Home Again

Musicians
Bryan Adams: vocals, guitars, piano, keyboards
Keith Scott: guitars, backing vocals
Mickey Curry: drums
Dave Taylor: bass
Tommy Mandell: keyboards, organ

Guest musicians
Jim Vallance: piano, keyboards, sequencer
Robbie King: organ on "Heat Of The Night", "Another Day", "Only The Strong Survive" and "Rebel"
Dave Pickell: piano on "Victim Of Love", "Only The Strong Survive" and "Rebel"
Ian Stanley: keyboards on "Victim Of Love" and "Remembrance Day"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FALECEU DAVID CASSIDY

David Cassidy em uma de suas últimas aparições públicas, no final de 2016 Nunca fui um "fã" propriamente dito de David Cassid...