sexta-feira, 25 de maio de 2018

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

O fim da década de 80 trouxe uma avalanche de grandes álbuns de AOR vindos do Reino Unido e o espetacular "Out Of The Silence" (resenhado aqui), trabalho de estréia do Dare, é um deles. Com melodias envolventes e os marcantes vocais de Darren Wharton aliado as a exímia produção de Mike Shipley, o álbum deixou sua marca no cenário e catapultou a banda à estratosfera do AOR.

Agora, passados 30 anos, o Dare apresenta uma releitura de seu trabalho mais conhecido contando com um lineup diferente, mas que ainda tem os integrantes originais Wharton e o ótimo guitarrista Vinny Burns.

De maneira geral, essa nova versão de "Out Of The Silence" pode parecer como uma mera regravação, mas não. Desde o início fica claro que o trabalho é mais que isso.

As canções ganharam um final propriamente dito, ao contrário dos fade out da versão original. Esse detalhe pode parecer pequeno para alguns, mas acredite, os acréscimos feitos foram de grande valia e conferiram aquele "algo mais" às canções.

Muito inteligentemente, as melodias e arranjos permaneceram intocados (como não poderia deixar de ser), mas as três décadas que separam as interpretações apresentam diferenças sutis, mas que, apesar de assim serem, não passam despercebidas.

A maior delas é, sem dúvida a produção.

O australiano Mike Shipley (R.I.P.) nos apresentou as canções do Dare envoltas naquela produção cristalina, pomposa, envolvente, como ele costumava fazer em álbuns do Def Leppard, City Boy, The Cars, Kim Carnes, Scorpions, Vixen, Ratt, Cheap Trick, Winger, Richard Marx e tantos outros. Vale lembrar que Shipley foi o mais notório aprendiz do legendário Robert John "Mutt" Lange, com quem trabalhou por décadas.

Pode-se perceber, desde o início, que bateria e baixo não têm, respectivamente, o mesmo punch nem a profundidade da versão original. Ainda, os vocais não soam com a grandiosidade que Shipley imprimiu e isso gera uma aura de inconsistência, pessoalmente falando.

Mas a produção de Wharton conferiu uma sonoridade mais orgânica, quesito muito apreciado hoje em dia. As guitarras ganharam mais espaço na nova mixagem e, se por uma lado baixo e bateria soam mais fracos em comparação com o material original, nessa nova versão os elementos se integram de maneira mais plena e isso deve ser motivo suficiente para que você ouça o que o Dare se propôs a fazer.

DARE, circa 2018: Roberts, Clutterbuck,
Wharton, Burns e Whitehead
Em resumo, caríssimos e caríssimas, "Out Of The Silence II" é um álbum tão interessante quanto sua versão original. Não apenas a releitura conferiu nova vida às canções, mas também as interpretações soam cuidadosamente diferentes o suficiente para que se possa compará-las. E não há como ignorar o fato de que a dupla Wharton/Burns é o que une as peças dessa releitura. Uma manobra arriscada, sempre digo, mas que foi bem sucedida, sem dúvida. Um álbum recomendado não apenas aos fãs do Dare, mas também a qualquer entusiasta dos bons sons...

DARE - Out Of The Silence II (Anniversary Special Edition)
To be released on June 29th, 2018, via Legend Records
Cat. #not available

Tracklist
01 Abandon
02 Into The Fire
03 Nothing Is Stronger Than Love
04 Runaway
05 Under The Sun
06 Raindance
07 King Of Spades
08 Heartbreaker
09 Return To The Heart
10 Don't Let Go

Lineup
Darren Wharton: vocals, keyboards
Vinny Burns: guitars
Kev Whitehead: drums
Nigel Clutterbuck: bass
Marc Roberts: live keyboards

Guest musician
James Burns: harmony guitars on "King Of Spades" 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Qualquer criatura no universo dos bons sons conhece o nome de Clif Magness . Muito provavelmente, deve curtir material escrito por ele,...