sexta-feira, 13 de julho de 2018

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

A notícia pegou todos de surpresa: no dia 06 de Março, Ted Poley revelou que estava gravando seu novo trabalho solo usando os músicos de Degreed. A princípio, o álbum seria lançado pela Frontiers Records e contaria com a presença de Alessandro Del Vecchio. No fim das contas, apenas uma das duas coisas aconteceu. Mas o primeiro detalhe que chama a atenção, logo de cara e muito obviamente, é a colaboração de Poley - um dos nomes mais conhecidos e respeitados no universo dos bons sons- com os suecos do Degreed, uma das melhores e mais interessantes bandas de melodic rock em atividade. O segundo é o nome do trabalho, indicando que se trata de um novo projeto e não de um trabalho solo de Poley, como se imaginava. O resultado dessa colaboração gerou muitas expectativas, e acredito que elas tenham sido atingidas.

De maneira geral, é seguro dizer que a sonoridade está mais inclinada ao que os suecos fazem, um melodic hard rock caprichado e com sonoridade contemporânea, mas a voz de Poley, inevitavelmente, confere uma aura que nos faz lembrar do Danger Danger, se bem que aqui temos canções que soam mais outros trabalhos. A excelente "New World" remete aos bons sons do projeto Melodica, enquanto a arrasadora "Bury Me" é a cara do Degreed. Já a ótima "Out Of Control" tem versos bem cadenciados até que o refrão se revele mais dinâmico, numa bela - e bem calculada - virada de panorama, característica também presente em "Gypsy At Heart", um belíssimo rocker que peca pela quantidade de harmony vocals previsíveis e, em até certo ponto, chatos demais, descritos precisamente pelo amigo Leonardo Brandão Rodrigues como sendo "muito Disney"... hahahahahaha.

O rocker "Running For The Light" se apresenta de maneira acachapante, com bateria no melhor estilo "bate estaca" e um piano desnecessário, mas todo o resto do conjunto funciona bem, até melhor na segunda parte da canção que me faz lembrar dos álbuns solo de Poley, circa 2006-2007. Enquanto isso, "What Kind Of Love" é um rocker bacana e com andamento contido, mesmo no refrão (muito bacana, do ponto de vista harmônico). Pessoalmente, gostaria de ouvir essa canção em versão mais dinâmica, como o ótimo mid-pacer "Time", por exemplo. Com versos crescentes e refrão explosivo, essa canção é perfeita para os vocais de Poley, mas aquele piano chato marca presença outra vez enquanto o rocker "Devil To My Angel" brilha e, uma vez mais, remete a momentos anteriores da carreira de Poley. O piano chato está aqui também, mas com menos espaço no resultado final, detalhe comemorado por este que vos escreve.

Na reta final temos o ótimo rocker "Find Another Man" (que engana com sua introdução moderninha), a bacana e modernosa "I Know A Liar" (com todos os elementos do mais contemporâneo melodic hard rock, desde o arranjo até o refrão) e "Wilderness", outro rocker bem contemporâneo e bacana, com aquele refrão bem caraterístico do estilo, mas que faz o seu papel.

Ted Poley, circa 2017
Em resumo, caríssimos e caríssimas, dizer que esse projeto soa como Ted Poley no Degreed não é exagero algum. E como seria, se o álbum contém todas as características que os suecos desfilaram em seus quatro álbuns? Pessoalmente, ouço aqui  mais detalhes presentes nos últimos dois trabalhos do Degreed, mas de maneira geral, a cara da banda está estampada em cada uma das canções. Ted Poley fez um belo trabalho, em dúvida, e as canções são adequadas a ele (pelo menos em estúdio). Se levarmos em conta seus mais recentes trabalhos - o solo "Beyond The Fade" e o trabalho com o Tokyo Motor Fist -  comparação me faz olhar com mais carinho para o que já foi feito, mas é irresponsável dizer que Modern Art Featuring Ted Poley é ruim. Longe disso, mas se levando em conta os nomes dos envolvidos, confesso que esperava mais. Talvez se esse álbum tivesse sido lançado entre o segundo e o terceiro álbuns do Degreed, o resultado me agradasse mais. Apesar de consistente e com direção musical muito bem definida, "Modern Art Featuring Ted Poley" é um daqueles álbuns que deixam sua marca no ano, mas que dificilmente serão lembrados daqui a alguns meses. Ouça e tire suas próprias conclusões...

MODERN ART FEATURING TED POLEY - Modern Art Featuring Ted Poley
To be released independently on July 30th
Cat. # not available

Tracklist
01 New World
02 Bury Me
03 Out Of Control
04 Gypsy At Heart
05 Running For The Light
06 What Kind Of Love
07 Time
08 Devil To My Angel
09 Find Another Man
10 I Know A Liar
11 Wilderness

Musicians
Ted Poley: vocals
Daniel Johansson : guitar
Mats Eriksson : drums, percussion
Robin Eriksson : bass, co-lead vocals On "Wilderness"
Mikael Jansson: keyboards
Alessandro Del Vecchio: additional vocals
Melvin O'Dyne: additional vocals
The Swedish Bikini Orchestra: additional strings on "Time"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOVO ÁLBUM DO THE CIRCLE VEM AÍ

O veterano Jason Bonham Foi isso que o baterista Jason Bonham revelou em recente entrevista concedida ao pessoal da Sonic Perspectives...