terça-feira, 17 de abril de 2018

INTEGRANTES DO DEF LEPPARD ESCOLHEM OS MELHORES ÁLBUNS DO DEF LEPPARD

Em recente entrevista concedida ao pessoal da Classic Rock, os integrantes do Def Leppard foram questionados sobre seus álbuns preferidos em sua própria discografia.

E o resultado é menos previsível do que se poderia imaginar.


Joe Elliott: "Uau! Quem é seu filho preferido? Essa é uma pergunta difícil! Eu tenho muito amor por 'Yeah!', nosso álbum de covers, porque aquelas canções são as da minha infância reunidas em um disco, e eu acho que no Def Leppard provamos - se não à ninguém, pelo menos à nós mesmos - que ainda podemos escrever boas canções e nos divertirmos criando músicas novas. Mas a lógica dita que, obviamente, 'Hysteria' é o álbum mais importante que já fizemos. Ele captura um momento que parece durar para sempre... e que dure ainda mais!"

Phil Collen: "'Hysteria'. Nós mudamos, de verdade, a maneira como a música soava no rádio. Mutt preencheu o espaço entre pop e rock. 'Pyromania' foi parecido com aquilo, mas com 'Hysteria' o efeito foi mais abrangente. E Mutt realmente merece o crédito. Ele nos levou além do limite dizendo: 'Isto é como a média. Mas nós precisamos ser excelentes. Havia um certo pioneirismo naquilo tudo. Você sabe, algo como os Stones, que eram uma banda de blues e, de repente, a banda que tocava 'Little Red Rooster' estava tocando 'You Can't Always Get What Yoy Want'. Eles embarcaram em algo totalmente diferente. Eu acredito que foi isso que aconteceu conosco. E isso mudou a maneira com que muita gente encarava o rock."

Rick Allen: "Minha opinião muda. Mas o que parece ser nosso álbum menos popular é o meu preferido, 'Slang', de 1996. Nós estávamos nos recuperando do estrago de toda a cena de Seattle e aquele álbum foi uma grande oportunidade para voltarmos ao básico. Não era tão polido e possivelmente soaríamos daquela maneira se não tivéssemos conhecido Mutt Lange."

Def Leppard, circa 2018: Allen, Collen,
Elliott, Campbell e Savage
Rick Savage: "Eu amei 'Pyromania' e como ele alinhou a banda, mas eu tenho que escolher 'Hysteria'. A qualidade e profundidade das canções... Quando você ouve qualquer uma daquelas canções no rádio, mesmo depois de tanto tempo, elas não soam datadas para um álbum de 1987."

Vivian Campbell: "Desde a minha época na banda eu acho que 'Songs From The Sparkle Lounge' foi o mais confortável para mim, porque foi muito fácil fazê-lo. Nós não o intelectualizamos. Frequentemente há um conceito que surge antes da música, você sabe, uma discussão sobre o tipo de álbum que queremos fazer. Mas com aquele álbum não nos preocupamos com isso. Minha teoria é que ele veio na linha do álbum de covers 'Yeah!', que era como pintar um desenho já pronto. E também me parece que havia a mesma ética e processo de pensamento a respeito."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ENTREVISTA COM ERIK GRÖNWALL

Quando assumiu a posição de frontman do H.E.A.T. , em 2012, Erik Grönwall era apenas mais um nome promissor no mercado musical sueco. E...