sexta-feira, 22 de novembro de 2019

O FIM DA "RECOMENDAÇÃO DA SEMANA"

Já deveria ter acontecido há algum tempo, mas agora não há mais como evitar: a tradicional "Recomendação Da Semana" não será mais apresentada. Pelo menos, não no formato que nos acostumamos a vê-la.

Desde a primeira recomendação (o excelente "Right Here" (do grande Eddie Money), postada aqui em 17 de Abril de 2009, a alternância entre lançamentos e material clássico e/ou raro foi uma constante.

E confesso que a resposta sempre foi maior quando o material não era lançamento.

Mas o tempo se tornou um ativo bastante importante e, no momento, não posso dispender o tempo necessário para compor as resenhas semanalmente.

Assim sendo, aquele texto que sempre estava online na meia-noite das sextas-feiras deixará de aparecer. As resenhas eventualmente estarão na casa, mas sem data específica. Ainda, elas tratarão de lançamentos e os textos certamente terão um novo formato

Sei que muita gente curtia as recomendações, mas a mudança é necessária nesse momento.

Agradeço a compreensão.

Rock on...

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

A VOLTA DO REVOLUTION SAINTS

Revolution Saints voltam à ativa no início de 2020
O trio Revolution Saints anuncia o lançamento de "Rise" para o dia 24 de Janeiro, via Frontiers Records.

Resgatando o melodic rock clássico que encantou fãs nas décadas de 80 e 90, Deen Castronovo, Jack Blades e Doug Aldrich prometem elevar o nível com um álbum perfeito.

Produzido pelo arroz de festa Alessandro Del Vecchio (também responsável pelos teclados e backing vocals) o álbum foi gravado em Milão e também nos estúdios particulares de Blades e Aldrich, na Califórnia e Seattle, respectivamente. As canções foram todas escritas por Del Vecchio, Blades e Aldrich, com contribuições de Dan Rossall (da Passion) além da luxuosa colaboração de Tommy Shaw em "Eyes Of A Child", composta em parceria com Blades.

O tracklist do álbum é o seguinte:

01 When The Heartache Has Gone (ouça a canção aqui)
02 Price To Pay
03 Rise
04 Coming Home
05 Closer
06 Higher
07 Talk To Me
08 It's Not The End (It's Just The Beginning)
09 Million Miles
10 Win Or Lose
11 Eyes Of A Child

Vem coisa quente por aí...

TIMO TOLKKI ACUSA ECLIPSE DE PLÁGIO

O finlandês putaço Timo Tolkki, circa 2019
Pois é, o rechonchudo Timo Tolkki afirma que o Eclipse copiou uma canção de seu projeto, Revolution Renaissance.

De acordo com Tolkki, a canção "The Masquerade" (que aparece no mais recente trabalho dos suecos) é uma cópia de "Revolution Renaissance", canção gravada pela banda homônima há 11 anos.

"É uma cópia fudida de 'Revolution Renaissance'. É a porra da mesma canção", disse Tolkki em seu podcast.

Tolkki continuou: "Eu pertenço a organização alemã chamada GEMA e oa alemães são muito fudidos quando o assunto é infringimento de direitos autorais. E são eles que cuidarão do caso. E eu quero algo como €500.000. Então a Frontiers, com quem já trabalhei, me fodeu legal. E até as letras... é minha canção, cara. Minhas letras, minha canção."

Tolkki ainda disse que nunca usou ideias de outras bandas sem dar-lhes o devido crédito: "Eu copiei tudo de Helloween e Rainbow, mas sempre lhes dei o crédito devido. Mas nunca fiz esse tipo de coisa."

Aguardamos os próximos capítulos...

segunda-feira, 18 de novembro de 2019

EDDIE VAN HALEN DEIXA O HOSPITAL

O legendário Eddie Van Halen, no dia 15 passado
De acordo com o canal de fofocas TMZ, Eddie Van Halen voltou para casa depois de passar alguns dias internado por conta de complicações de seu tratamento contra um câncer.

Fontes próximas ao guitarrista disseram que ele foi internado na semana passada com problemas intestinais e abdominais, decorrentes de uma reação aos medicamentos que Eddie estaria tomando para tratar o câncer que tem na garganta. Ele teve alta no domingo passado e parece estar se recuperando bem.

Muitos rumores têm surgido sobre a saúde de Eddie Van Halen, inclusive que seu estado estaria piorando e que ele estaria viajando constantemente para a Alemanha para se tratar. Mas todas as notícias são falsas e os meios de comunicação que publicaram tais notícias já as corrigiram ou deletaram o conteúdo.

segunda-feira, 11 de novembro de 2019

ARTIC RAIN VEM AÍ

Frontiers Records aposta na Artic Rain
para bons sons em 2020
Vem aí mais um daqueles mirabolantes lançamentos da Frontiers Records, diretamente da abençoada e iluminada Suécia (de onde mais seria?!?!?).

"Com influências de Whitesnake, Mr. Big, Foreigner, Talisman, Def Leppard, Toto, Treat, Dokken, White Lion, Journey e outras grandes bandas, acreditamos que o resultado de nosso álbum é algo como a destilação de nossas interpretações combinadas daquela era da música", disse o guitarrista Magnus Beglund.

Beglund continuou: "No final de 2018, uma demo foi gravada e enviada para várias gravadoras e as respostas foram bastante promissoras. Muitas delas demonstraram interesse, mas aquela que nós queríamos, a Frontiers, não respondeu. O que aconteceu foi que, de alguma maneira, nossa demo nunca chegou até eles e quando tudo foi resolvido a Frontiers demonstrou interesse, e aí não havia mais dúvida sobre para onde iríamos. Não há erro sobre o amor à música que esses caras têm".

A Artic Rain é o resultado da colaboração entre o compositor e tecladista Pete Alpenborg, o guitarrista Magnus Beglund e o vocalista Tobias Jonsson. Mais tarde, juntaram-se a eles o baixista Gert Daun e o baterista Jonas Jönsson e logo começaram as gravações para o álbum de estréia. O objetivo da banda é escrever canções focadas no melodic rock com harmonias instrumentais de bom gosto, típicas de bandas dos anos 80 e 90. Algo como um revival, mas com um toque moderno, de maneira geral.

Alpenborg já escreveu material para gente do calibre de Revolution Saints, House Of Lords, Issa Overseen, All 41, Toby Hitchcock, Sunstorm, Kee Of Hearts e muitos outros.

Pelo jeito vem coisa grande por aí.

Mais detalhes em breve.

Stay tuned...

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

POISON VOLTA A ATIVA EM 2020???

Poison, circa 2018: Ricky Rockett, Bobby Dall,
Bret Michaels e C.C. DeVille
Se depender de Bret Michaels, parece que sim.

O vocalista disse que a banda retomará a carreira no próximo ano com uma "tour incrível" e, quem sabe, ao menos uma nova canção.

Em entrevista concedida a Billboard, Michaels disse: "2020 é realmente o sonho. Estou trabalhando muito para criar algo incrível com outras bandas para o próximo verão. Uma nova canção do Poison seria maravilhoso. Não peso em um álbum inteiro, mas ao menos uma canção. Eu adoraria fazer isso. Está definitivamente na minha lista de desejos".

Mas vale lembrar que, recentemente, o baterista Ricky Rockett admitiu que ele e os outros integrantes da banda ficaram magoados com Michaels, cujas frequentes tours solo causaram um hiato de cinco anos na carreira do Poison

"Acredito que precisamos nos distanciar uns dos outros e fazer outras coisas de vez em quando, mas ao mesmo tempo, acho que ele passa muito tempo distante. Há mágoas, mas nada que nos faça torcer contra ele. Queremos que ele tenha sucesso. Mas eu gostaria que o Poison também fosse importante e que ele empenhasse mais energia na banda", disse o baterista.

Em 2018 o Poison embarcou na "Nothin' But A Good Time Tour" com o Cheap Trick e Pop Evil.

E o mais recente álbum de inéditas da banda foi o esquisito "Hollyweird", de 2002.

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Três anos desde seu mais recente trabalho, os dinamarqueses da Pretty Maids retornam ao cenário com "Undress Your Madness", trabalho que atesta a qualidade da banda e mantém o alto nível de seus álbuns mais contemporâneos, apesar de haver uma certa e inegável redundância no aspecto melódico. Entretanto, eu costumo dizer que prefiro o "mais do mesmo" eficiente ao invés da novidade desastrosa. Assim sendo, mesmo sem surpresas, o álbum agrada em cheio e deve colocar um sorriso largo no rosto dos amantes dos bons sons.

O desfile de rockers cavalares tem início com a demolidora "Serpentine", passando pelas envolventes "Firesoul Fly" e pela catártica "Undress Your Madness", além da imponente "Will You Still Kiss Me (If I See You In Heaven)". Essas quatro canções representam perfeitamente a proposta da banda e convencem facilmente quem espera a tradicional fórmula que mescla peso e melodia de maneira precisa. Volume máximo e nenhuma moderação são recomendadas.

"Runaway World" mantém a sequência insana de rockers maiúsculos, que tem continuidade com a frenética "If You Want Peace (Prepare For War)", além da arrepiante "Slavedriver" e da surpreendente "Shadowlands" e seu apelo radio friendly, que só faz agregar mais brilho ao que já era ótimo. Ouça isso tudo com volume suficiente para que seus vizinhos possam dividir a alegria com você.

Pretty Maids, circa 2019: Shades, Hammer,
Atkins, Sørensen e Laney
Na reta final temos a bacana "Black Thunder" e a power ballad "Strength Of A Rose", que fecha o álbum em alta nota e mostra que a banda pode e sabe apontar em outras direções, mesmo que o faça muito de vez em quando.

Em resumo, caríssimas e caríssimos, a nova empreitada da Pretty Maids é bem bacana, mesmo sendo previsível. Mr. Atkins oferece performances consistentes, assim como a banda, de maneira geral. As canções têm uma linha melódica bem definida e não oferecem muitas variações, o que pode incomodar alguns e, certamente, alegrar outros tantos. Seja como for, "Undress Your Madness" vale o investimento e, se não traz novidades, também não faz feio.

PRETTY MAIDS - Undress Your Madness
Released on Nov. 08th 2019, via Frontiers Records
Cat. #FR CD 993

Tracklist
01 Intro
02 Serpentine (assista ao vídeo aqui)
03 Firesoul Fly
04 Undress Your Madness
05 Will You Still Kiss Me (If I See You In Heaven)
06 Runaway World
07 If You Want Peace (Prepare For War)
08 Slavedriver
09 Shadowlands
10 Black Thunder
11 Strength Of A Rose

Lineup
Ronnie Atkins: vocals
Ken Hammer: guitars
Rene Shades: bass
Chris Laney: keyboards
Allan Sørensen: drums

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

BREAKING NEWS

* Os suecos do Work Of Art acabam de lançar vídeo para "Another Night", canção que integra o aguardado "Exhibits", que chega às lojas amanhã. O vídeo pode ser assistido aqui;

* Sons Of Apollo anuncia o lançamento de "MMXX" para o dia 17 de Janeiro próximo, via InsideOut Music;

* Coreleoni tem novo vídeo e a canção escolhida é "Don't Get Me Wrong". O trabalho pode ser conferido aqui.

BRIGA ENTRE TOMMY LEE E VINCE NEIL É MENTIRA

Os veteranos do Mötley Crüe, circa 2019
Vince Neil desmentiu a notícia de que uma briga entre ele e o batera Tommy Lee seria a razão pela qual o Mötley Crüe não faria uma tour de reunião.

No fim de semana passado, o RadarOnlie.com publicou matéria afirmando que Neil e Lee estariam travando uma batalha de palavras em relação a qual dos dois deveria voltar para o centro de reabilitação antes.

"De acordo com fontes, a banda oitentista está pronta para faturar 150 milhões de dólares em uma tour organizada pela Live Nation, isso se o vocalista peso pesado Vince Neil emagrecer quase 20 quilos e encarar tratamento. Mas pessoas próximas a banda dizem que o o vocalista de 58 anos está furioso com o pedido dos organizadores para que emagreça, e insiste que o beberrão Lee é quem precisa de tratamento. E esse comentário não foi bem recebido por Lee", diz o texto.

Neil usou o Twitter para desmentir a coisa toda: "Pessoas, esses boatos são falsos. Eu não falei com nenhum outro integrante da banda desde a estréia do nosso filme. Eu tive que cancelar alguns shows por conta de problemas nas costas, os quais estou tratando atualmente. Não não nenhum problema entre eu e Tommy. Não acreditem em nada desses sites de fofocas".

terça-feira, 5 de novembro de 2019

O BOXSET DE MARK SPIRO

O legendário Mark Spiro, circa 2019
O dia 14 de Fevereiro próximo está marcado no calendário dos amantes dos bons sons como a data em que o aguardado boxset do legendário Mark Spiro chegará às lojas, via Frontiers Records.

Será uma oportunidade única para adquirir alguns dos mais emblemáticos álbuns de AOR da década de 90, há muito fora de catálogo.

E apesar de a gravadora não revelar detalhes acerca do lançamento, já sabemos algumas coisas sobre o que vem por aí.

* O box não incluirá o raríssimo "In Stereo", lançado em 1986;

* Todos os outros oito álbuns lançados entre 1994 e 2012 integram o boxset em versões remasterizadas;

* Há um álbum chamado "The InBetweens", contendo 12 canções inéditas de todas as fases de sua carreira, escolhidas pelo próprio Mark Spiro.

Confesso estar curioso para ouvir essa edições remasterizadas, especialmente dos clássicos "Devotion" e "The Stuff Dreams Are Made Of".

E vale lembrar que Mark Spiro ainda lançará um álbum de inéditas em 2020, também via Frontiers, mas ainda sem data anunciada.

Só nos resta aguardar...

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Os norte-americanos da Station já haviam chamado a atenção dos amantes dos bons sons em 2013, com seu E.P. de estréia. Dois álbuns depois, a banda retorna ao cenário com "Stained Glass", trabalho em que consolida sua sonoridade melodic rock com precisas infusões de AOR, tudo já testado e aprovado nos já citados trabalhos anteriores. Com ótimas canções e uma surpreendente produção (ainda mais se levarmos em conta que o álbum é um lançamento independente), a Station surge como mais uma bela surpresa na reta final do ano.

A envolvente "A Matter Of Time" abre o álbum com propriedade, mostrando que a banda não segue o mais óbvio dos caminhos, apesar de a radio friendly "Emily" ter formato mais tradicional. A baladaça "Never Enough" ressurge aqui depois de ter feito sucesso como single lançado em 2018. Uma dose cavalar de melodic rock, com vocais excelentes e melodia absurdamente envolvente, elementos que se fazem presentes na explosiva "I See You Everywhere" em mais um capítulo radio friendly do álbum. Volume máximo e nenhuma moderação são recomendadas ao ouvir essas canções.

"Angel" é outra linda balada, mais introspectiva e com arranjo bastante envolvente, como devem ser as power ballads de respeito, enquanto "Nothin' But Love" é um rocker maiúsculo com estrutura melódica simples, mas muito eficiente mesmo sem ser brilhante, um adjetivo que pode ser facilmente usado para descrever "Still Here", lindo mid-pacer de base acústica que se destaca no tracklist que conta com "Burning Out Fast", rocker imponente e memorável. Novamente, recomenda-se nenhuma moderação e volume máximo para cada uma dessas canções.

Na reta final temos "I Need You Red" (outra power ballad caprichada e que merece sua total atenção) e o interlúdio acústico "Stained Glass", além de "All You Need Is A Heartbeat", um poderoso radio friendly rocker que ostenta uma inegável aura oitentista capaz de fazer chorar a mais insensível das criaturas.

Station, circa 2019: Lane, Baptist, Asta e Kearney
Em resumo, caríssimas e caríssimos, "Stained Glass" é o álbum mais variado da Station quando consideramos o tracklist. Apesar disso, a banda se mantém fiel a sonoridade que a caracteriza e isso, de uma forma ou outra, faz o álbum coeso ao mesmo tempo. Com produção digna para um trabalho independente, musicalidade acima da média e excelentes canções, repito que a Station é uma das boas surpresas do fim do ano e absoluta merecedora de sua atenção. Se você já conhece os bons sons desse quarteto, sabe do que estou falando. Mas se você ainda não teve a sorte de curtir os trabalhos desses caras, prepare-se para uma ótima surpresa...

STATION - Stained Glass
Released on Nov. 01st 2019, via Station Music
Cat. # not available

Tracklist
01 A Matter Of Time (assista ao vídeo aqui)
02 Emily
03 Never Enough (assista ao vídeo aqui)
04 I See You Everywhere
05 Angel
06 Nothin’ But Love
07 Still Here
08 Burning Out Fast
09 I Need You Red
10 Stained Glass
11 All You Need Is A Heartbeat (assista ao vídeo aqui)

Lineup
Patrick Kearney: vocals
Chris Lane: guitars
Emi Asta: bass
Tony Baptist: drums

O FIM DA "RECOMENDAÇÃO DA SEMANA"

Já deveria ter acontecido há algum tempo, mas agora não há mais como evitar: a tradicional "Recomendação Da Semana" não será ma...