sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

O veterano Mike Slamer é um dos nomes mais reconhecidos e respeitados dentro do universo AOR desde o final da década de 70, quando o City Boy surgiu. Slamer ainda participou do Streets, Seventh Key, Steelhouse Lane e também de uma infinidade de projetos, incluindo um excelente álbum gravado com o igualmente excelente Chris Thompson. Já Andrew Freeman tem em seu currículo passagens pelo The Offspring e também pela Lynch Mob, além de sua atual residência na Last In Line. Por algum motivo, o pessoal da Frontiers resolveu juntar os dois no projeto Devil's Hand, cujo álbum homônimo chamou a atenção dos amantes dos bons sons desde o anúncio da criação do projeto. Musicalmente, a dupla Slamer/Freeman apresenta rockers caprichados, diretos e envoltos nas peripécias que só Mike Slamer sabe fazer. Não tinha como dar errado...

O álbum é predominantemente rocker, mas apresentando variedade sobre o mesmo tema, como se pode conferir na descomunal "We Come Alive", na excelente "Falling In", além da cadenciada "One More Time" e a infernal "Another Way To Fly". Quatro grandes canções que merecem sua total atenção e múltiplas audições.

"Drive Away" tem andamento mais dinâmico e mais peso (com resultados excepcionais), enquanto "Justified" surge em uma virada absoluta, sendo uma balada delicada e com arranjo envolvente, enquanto "Rise Above It All" retoma o caminho rocker, trazendo ainda mais peso - muito bem distribuído, devo dizer - aliado à melodia, aspecto esse que sobressai na ótima "Devil's Hand" e seu molde clássico do melodic rock do início da década de 90, com guitarras na linha de frente sendo acompanhadas por teclados ocasionais e que seguem a mesma progressão melódica.

"Unified" tem início com influência de blues, mas se converte em um rocker cavalar e bem cadenciado, enquanto "Heartbeat Away" é um melodic rock puro, sob qualquer ponto de vista, mesmo apresentando alternância de andamento entre versos e b-sections e refrão (aspecto que normalmente não me agrada, mas aqui, por algum motivo, funciona). E enquanto "Push Comes To Shove" é mais um daqueles rockers mais dinâmicos, onde peso e melodia dividem espaço harmoniosamente, "Faith" tem arranjo mais trabalhado, com viradas constantes e uma melodia muito bacana.

Andrew Freeman e Mike Slamer, circa 2018
Em resumo, caríssimas e caríssimos, o mero fato de Mike Slamer estar de volta à ativa já é motivo de comemoração. Um guitarrista genial e absurdamente talentoso, merecedor de muito mais reconhecimento do que efetivamente tem. E não há como negar que a colaboração com Andrew Freeman trouxe resultados excelentes, culminando em um álbum diversificado, criativo e repleto de nuances e detalhes que só fazem perceptíveis a cada nova audição. A produção está bem equilibrada - assim como a mixagem - e há uma aura 90's que corre através do álbum, bastante familiar a quem já conhece os trabalhos de Mike Slamer. E esse detalhe agrega ainda mais brilho ao álbum, na minha modesta opinião. Assim sendo, "Devil's Hand" surge como uma boas surpresas na reta final de 2018, sendo uma muito recomendada aquisição para sua coleção...

DEVIL'S HAND FEAT. MIKE SLAMER AND ANDREW FREEMAN - Devil's Hand
Released on Nov. 28th 2018, via King Record Co. Ltd (Japanese Pressing)
Cat. #KICP-1959

Tracklist
01 We Come Alive (ouça a canção aqui)
02 Falling In (ouça a canção aqui)
03 One More Time
04 Another Way To Fly
05 Drive Away
06 Justified
07 Rise Above It All
08 Devil's Hand
09 Unified
10 Heartbeat Away (ouça a canção aqui)
11 Push Comes To Shove
12 Faith

Musicians
Andrew Freeman: vocals
Mike Slamer; guitars, bass, keyboards
Chet Wynd: drums

Guest Musicians
Andy Zuckerman: guitars
Mike Hansen: drums
Casey Purvis: guitars
Jeff Valdez: guitars

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...