sexta-feira, 5 de julho de 2019

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Os canadenses do Loverboy já eram conhecidos no universo dos bons sons quando "Wildside" chegou às lojas em 20 de Setembro de 1987. Com o retorno do produtor Bruce Fairbairn (ausente das gravações do álbum anterior), a banda contou com uma série de colaborações de compositores de peso, como os compatriotas Bryan Adams e Alfie Zappacosta, além de Jon Bon Jovi, Richie Sambora, Todd Cerney, Brian McLeod e outros. Apesar de tudo isso, esse foi o primeiro álbum da banda a não atingir o status de platina (referente a um milhão de cópias vendidas), mas a qualidade do material é inquestionável. 

A frenética "Notorious" abre o álbum com propriedade e mostrando o destaque que os teclados têm (por vezes em exagero). Rocker contagiante e absolutamente radio friendly (com refrão massacrante), essa canção mostra a qualidade vocal de Mr. Reno e, sem dúvida, é um dos destaques do álbum, assim como a excelente "Walkin' On Fire", um rocker mais cadenciado e que apresenta teclados e guitarras em maior harmonia e um refrão marcante, elementos que também se fazem presentes em "Break To Me Gently", outro rocker visceralmente radio friendly e que poderia ter teclados mais discretos, mas que ainda assim figura facilmente entre os destaques do álbum. Volume máximo para cada uma das três canções que abrem magistralmente o álbum.

Mas é "Love Will Rise Again" que me encanta mais! Um AOR elegante, envolvente e digno dos melhores trabalhos da década. Tudo nessa canção é perfeito, do arranjo à progressão melódica, da métrica à interpretação perfeita de Mr. Reno, culminando no refrão arrebatador. Só essa canção justifica a compra de "Wildside" (assista ao vídeo e tire suas conclusões), mas o fantástico rocker "Can't Get Much Better" (que refrão!) e a radio friendly "Hometown Hero" também têm seu valor e merecem sua total atenção em múltiplas e barulhentas audições.

Enquanto os rockers "Wildside" e "That's Where My Money Goes" não têm o mesmo brilho das canções anteriores,  "Don't Let Go" e "Read My Lips" oferecem melhores momentos sonoros e mostram um pouco da versatilidade da banda, uma característica que sempre me pareceu pouco explorada ao longo da sua discografia. Finalmente, a power ballad "Don't Keep Me In The Dark" surge para, magistralmente, fechar o álbum, com um arranjo envolvente e, uma vez mais, Mr. Reno apavorando e transbordando qualidade, detalhes que fazem dessa canção mais um destaque do álbum.

Loverboy, circa 1987: Dean, Reno, Johnson,
Smith e Frenette
Em resumo, caríssimas e caríssimos, confesso não entender exatamente como "Wildside" desapontou os fãs do Loverboy. Magistralmente produzido pelo veterano Bruce Fairbairn e mixado por ninguém menos que Bob Rock, esse álbum traz canções excelentes e algumas das melhores interpretações de Mike Reno. Além disso, foi lançado na época certa e teve a divulgação que  merecia. Seja como for, e apesar da cara de nojo dos fãs mais xiitas, "Wildside" não é apenas o álbum que mais curto na discografia dos canadenses, mas é também um dos mais consistentes álbuns do Loverboy. Se você não é familiarizado com os bons sons de Mike Reno e companhia, "Wildside" vai te surpreender.

LOVERBOY - Wildside
Released in 1987 via Epic/Sony Japan
Cat. # 32-8P-207

Tracklist
01 Notorious (assista ao vídeo aqui)
02 Walkin' On Fire
03 Break To Me Gently
04 Love Will Rise Again (assista ao vídeo aqui)
05 Can't Get Much Better
06 Hometown Hero
07 Wildside
08 Don't Let Go
09 That's Where My Money Goes
10 Read My Lips
11 Don't Keep Me In The Dark (CD bonus track)

Lineup
Mike Reno: vocals
Paul Dean: guitars, vocals
Doug Johnson: keyboards
Scott Smith: bass
Matthew Frenette: drums, percussion

Guest Musicians
Bruce Fairbairn: backing vocals
Neil Shilkin: keyboard programming
Darrell Mansfield: harp on "Notorious" and "Walkin' On Fire"
Paul Hyde: voice-overs on "That's Where My Money Goes"
Alison Glass: voice-overs on "That's Where My Money Goes"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...