segunda-feira, 30 de abril de 2012

ENTREVISTA COM DANNY VAUGHN

Durante um bom tempo eu tentei uma entrevista com Danny Vaughn, mas o momento sempre parecia errado. Por uma série de acontecimentos nunca havia conseguido contato com o vocalista do Tyketto. Até recentemente, quando muito gentilmente Mr. Vaughn concordou em responder algumas perguntas. E o momento não podia ser melhor, já que o Tyketto estava prestes a lançar um novo trabalho com o lineup original.

Com isso em mente, falamos sobre a reunião da banda, o processo de gravação do excelente "Dig In Deep", as expectativas da banda para 2012 e muito mais.

Então, é com muito prazer que lhes trago essa entrevista exclusiva com Danny Vaughn. Enjoy...

01 Lá se vão 21 anos desde o clássico "Don’t Come Easy". Olhando para trás, e considerando tudo pelo que a banda passou, como você o Tyketto hoje?

Danny Vaughn: Quando eu penso no Tyketto lembro de algumas das pessoas mais queridas no mundo para mim. Nós dividimos as coisas boas e enfrentamos as coisas ruins juntos. Como os irmãos fazem. E, assim como acontece nas famílias, as lembranças podem ser boas ou ruins. Eu certamente acho que o Tyketto deveria ser muito maior do que o destino quis, mas não tenho nenhum ressentimento sobre isso. Continuo orgulhoso com o fato de que, ao redor do mundo, há algumas pessoas que conhecem a música que criamos juntos.

02 Os fãs vinham aguardabdo ansiosamente por um novo álbum do Tyketto. E você, um novo álbum com a banda era algo que você considerava, já que sempre esteve envolvido em outros projetos?

Danny Vaughn: Eu não acredito que nenhum de nós imaginava isso. Todos sentíamos que o Tyketto era um capítulo já encerrado em nossas vidas. Mas as 'reunion tours' eram sempre divertidas de fazer e, como sempre acontece conosco, nós começamos a considerar a idéia de um novo álbum quando ninguém nos pedia por isso. Simplesmente achamos que o momento era certo.

03 Não só o anúncio do novo álbum foi recebido com alegria pelo fãs, mas o fato de trazer o lineup original foi definitivamente um grande bônus. Como foi reuinir-se com os outros integrantes novamente? 

Danny Vaughn: Quando estávamos todos no mesmo lugar tudo correu muito bem. Muito comfortável. Mas boa parte do processo de gravação foi feito via internet e isso é sempre difícil porque você nunca sabe qual a intenção incluída em um e-mail. Então foi normal que houvessem alguns mal-entendidos e algumas discussões que não teriam acontecido se estivéssemos todos no mesmo lugar.

04 Bem, eu tenho que duzer que "Dig In Deep" é um álbum excelente. Canções fortes, refrões marcantes, um paraíso melódico. Como foi compor juntos depois de tanto tempo? Demorou muito para que vocês percebessem que conseguiriam fazer isso?

Danny Vaughn: Obrigado. Na primeira vez que nos reunimos a idéia era tentar escrever novas canções já tinha dois anos. Michael e eu voamos até onde Brooke estava morando na região de Las Vegas e passamos uma semana com ele apenas para ver se nossas idéia resultariam em algo bom. Quando terminamos tínhamos seis canções novas e nos encorajamos com as possibilidades. Então decidimos nos concentrar em uma canção e terminá-la a distância, usando a internet e nossos estúdios caseiros. A canção se tornou "Love To Love", que nasceu de uma idéia que Brooke teve. Acho que a primeira vez que tivemos aquela sensação de dever cumprido foi quando terminamos a demo dessa canção. Foi ali que sentimos que poderíamos fazer isso.

05 Eu ouvi que uma das condições para que vocês gravassem o álbum era que o material deveria ser composto por você, Brooke St. James e Michael Arbeeny. Isso é verdade?

Danny Vaughn: Eu não sei onde você ouviu isso. Não é verdade. Algumas canções do álbum tiveram colaboração de compositores de fora O que queríamos fazer era um álbum com idéias novas e não usarmos nada do passado.

(A informação acerca da citada condição foi obtida com uma postagem da própria Frontiers Records em sua seção de HighLights - e reproduzida no Melodic Rock - conforme pode ser visto clicando aqui)

06 Há alguma canção preferida por você no tracklist, Danny? 

Danny Vaughn: É difícil escolher alguma canção como sendo favorita. São todas criações nossas, afinal de contas. Mas tenho muito carinho por "Here’s Hoping It Hurts" e "This Is How We Say Goodbye". Tenho muito orgulho em saber que as pessoas tem comentado positivamente sobre as letras no álbum. É onde concentro minhas energias e onde me dedico mais, e isso significa muito para mim. A primeira das duas canções que mencionei é sobre não conseguir perdoar alguém que te decepcionou. Talvez um sócio ou ex. Sempre nos dizem que é melhor perdoar e dar a outra face mas o cantor lhe diz  espero que você sofra pelo que fez para mim". Pode não ser politicamente correto, mas normalmente é assim que nos sentimos, não???

A outra canção é uma balada bastante pessoal sobre como lidamos com a morte de alguém próximo a nós. Nesse caso, é sobre as vidas de duas pessoas muito especiais, a mãe de Michael (Evelyn) e meu irmão espiritual, Charlie White Elk. É a canção mais pessoal que já escrevi e sempre sinto um nó na garganta quando a ouço.

07 E como foi gravar o álbum? Ouvi dizer que não foi exatamente um passeio no parque...

Danny Vaughn: Basicamente, tudo o que podia dar errado deu errado. Desde nevascas violentas até infecções de garganta e cirurgias no ombro. Tivemos que passar por muita coisa até completarmos o álbum. Espero que vocês não ouçam nada disso nas canções do álbum.

08 Este é o seu terceiro álbum com o Tyketto. Como você o compara em relação a "Don’t Come Easy" e "Strength In Numbers"?

Danny Vaughn: Acho que isso é uma coisa que os fãs devem decidir. A grabde diferença para nós é que, logicamente, estamos mais velhos e, possivelmente, mais espertos e por isso utilizamos um processo de gravação diferente daquele usado nos dois primeiros álbuns. Ainda é o Tyketto? É claro que é! Ainda é Brooke, Michael, Jimi e eu, então não poderia ser outra coisa. Mas é o Tyketto soando como se banda tivesse sido formada agora, e não em 1991.

09 O Tyketto tocará no  FireFest no dia 19 de Outubro como headliner. O que significa para a banda tocar em um festival como esse?

Danny Vaughn: Já tocamos uma vez e estivemos envolvidos na criação do festival quando ele começou, então nos sentimos em casa. É como tocar para nossos 1.400 melhores amigos. Mas, com um novo álbum lançado temos que provar novamente que somos capazes e isso vai acabar com nossos nervos. Realmente nos preocupamos em fazermos o melhor possível porque criamos uma reputação de fazermos bons shows desde o começo da carreira.

10 Com tantos álbuns e DVDs gravados no FireFest ao longo dos anos eu não posso evitar a pergunta: há alguma chance de sua apresentação no festival ser gravada para lançamento posterior em CD e/ou DVD?

Danny Vaughn: Muita gente quer isso, mas não... pelo menos por enquanto. Não ficamos impressionados o suficiente com alguns dos DVDs que foram gravados no Firefest. Apesar de ser um local muito bom para se tocar, não é muito bom para se gravar um DVD. E se decidirmos gravar um DVD ao vivo, prepararemos o projeto com muito cuidado e na hora e locais certos.

11 Vocês estiveram no Brasil em 2008. Quais suas lembranças daqui?

Danny Vaughn: Nós adoramos o Rio. Nos divertimos muito lá e conhecemos fãs incríveis. Vocês são apaixonados por música e nos receberam muito bem. E, vamos falar a verdade, algumas das mulheres mais bonitas do mundo estão aí, então a vista é sempre excelente.

12 Há alguma chance de vermos o Tyketto no Brasil novamente?

Danny Vaughn: Se encontrarmos o produtor correto, absolutamente. É preciso muita coisa para levar uma banda dos Estados Unidos até aí mas queremos muito visitá-los novamente.

Danny foi um grande prazer falar contigo. Você sabe que a grabadora não estava nada feliz com a possibilidade dessa entrevista acontecer, mas seu respeito pelos fãs se fez maior e você foi gentil o suficiente para falar comigo. Eu realmente espero ter a chance de vê-los ao vivo novamente e lhes desejo ainda mais sucesso. As portas da AORWatchTower  estão sempre abertas à você.

Danny Vaughn: O prazer foi meu e agradeço à você e aos fãs por não esquecerem de mim e do Tyketto ao longo dos anos. O novo álbum inicia uma nova era e espero ouvir notícias dos fãs brasileiros expressando o que acharam do novo trabalho. E espero visitá-los em breve!

Obrigado

Um comentário:

DEEMON disse...

Bela entrevista Juba...Parabéns meu amigo!!
Longa vida ao Tyketto!!!!
Cheerss

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...