sexta-feira, 13 de abril de 2012

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

A França tem umas coisas bacanas em relação a música e o Silence é prova disso. Depois de um hiato de quatro anos e cinco álbuns no currículo, os talentosos  Bruno Levesque e Ben Venet resgataram o projeto das sombras e retornaram com dois álbuns simultâneos que contam com a luxuosa presença de Tommy Denander.  E para celebrar o retorno do Silence, hoje falaremos de "City (Days)". E se prepare porque o material é de alta qualidade, como era de se esperar...

O álbum abre com "Beggar's Day", um radio friendly rocker que me lembra muito o Danger Danger (especialmente na construção melódica das canções). Guitarras em abundância, versos curtos e diretos e um refrão explosivo fazem dessa canção um o cartão de visitas do álbum. Ouça se moderação e já deixe o volume nas alturas porque em seguida chega "Father", com uma sonoridade que remete a Stan Bush. Nada mal, hein??? Pois a canção tem linha de guitarra intermitente, seguida por teclados discretíssimos e linha de baixo pulsante. Todos esses elementos compõe uma das melhores melodias no álbum, cujo refrão é de arrepiar e, por isso mesmo, temos aqui um dos grandes destaques desse trabalho. Ouça de janelas abertas, volume máximo e prepare-se para "Footprints" com seu loop introdutório acompanhado de teclados delicados, baixo marcante e vocais suaves. As guitarras são estrategicamente postadas e a melodia é retirada da cartilha mais tradicional do AOR, o que excelente. Um mid-pacer nos moldes clássicos, com ótima melodia, métrica certeira e refrão fácil fazem dessa canção outro destaque desse álbum. Outro mid-pacer bacana se apresenta em "Brand New Start", onde o baixo aparece em primeiro plano tendo sua base pontuada por guitarras caprichosamente desleixadas e arranjo bastante simples. Gosto bastante da melodia e do refrão com backing vocals breves. Bela canção que vem crescendo em meu conceito a cada nova audição.

"Jenny" tem uma base de teclados bem bacana por onde baixo e guitarra desfilam acompanhadas por outros teclados menos evidentes, mas igualmente importantes. O arranjo é muito bacana e me agradou logo na primeira audição, da mesma maneira que o refrão marcante. E mesmo sendo mais um mid-pacer, não espere uma cópia dos outros dois. São canções com bases semelhantes (não idênticas) e todas tem características distintas entre elas. Então os franceses resolveram se arriscar e regravaram "Guardian Angel", belíssima canção do meste Mark Spiro. E sabe que os caras acertaram a mão?!?!?!? Claro, foram inteligente o suficiente para não 'inventar' nada com a canção e a mantiveram com seu arranjo original. E como fã de carteirinha de Mr. Spiro desde 1994, atesto a qualidade dessa cover, coisa que não acontece com frequência, vocês sabem. Mudando a direção melódica do álbum temos "End Of The Day", um belíssimo mid-pacer onde as guitarras assumem a frente, mas tendo teclados bem inseridos na melodia e contando com uma linha de baixo consistente, que amarra tudo perfeitamente. Me agrada demais a melodia, métrica e arranjo dessa canção, sem contar na interpretacáo de Ben Venet. Aponto essa canção como mais um grende destaque desse álbum sem medo de errar. E quase que na mesma esfera melódica temos a bacanérrima "Lift Me Up", mid-pacer maravilhoso (o melhor entre todos, pode apostar) onde Mr. Venet faz dueto com sua irmã, Justine Venet. Essa informação me foi passada pelo próprio Bruno Levesque, já que tal dado não consta nos créditos do álbum. A melodia é arrepiante, com linha de baixo pesada, guitarras precisamente dstribuídas e teclados ocasionais que só acrescentam brilho ao que já era excelente. Ouça sem moderação...

Na reta final do álbum temos "Daydreaming", um radio friendly rocker muito bacana, com sonoridade mais contemporânea dentro de um arranjo tradicional. O resultado me agradou e recomendo à vocês, assim como recomendo "Business" e suas guitarras cuidadosamente fora de controle. O arranjo é bacana e me agradou bastante a linha das guitarras e o refrão explosivo, sem contar que a interpretação de Mr. Venet nessa canção é uma das melhores em todo o álbum, assim como acontece em "Waiting For Dawn (Lullaby)", uma linda balada, com arranjo intimista e melodia envolvente. Aqui temos mais um destaque do álbum e uma boa escolha para fechar o trabalho. Ouça acompanhado, se possível... hehehehe.

Em resumo, caríssimas e caríssimos, afirmo que, pessoalmente, valeu a pena esperar pelo retorno do Silence. Apesar de não ser um trabalho monumentalmente diferente dos álbuns anteriores, "City (Days)" tem suas características próprias e não soa previsível em momento algum. Me agradou demais as variações melódicas dentro do trabalho, mas concordo que o tracklist poderia ter sido melhor distribuído, evitando deixar canções com tratamento melódico semelhante próximas umas das outras. Mas apesar disso, o álbum vale muito a pena e traz AOR da melhor qualidade, com melodias excelentes, interpretações surpreendentes e canções muito, mas muito bacanas. Fica a dica...

SILENCE - City (Days)
Released on April 05th via Perris Records
Cat. #3892

Tracklist
01 Beggar's Day
02 Father
03 Footprints
04 Brand New Start
05 Jenny
06 Guardian Angel
07 The End Of The Day
08 Lift Me Up
09 Daydreaming
10 Business
11 Waiting For Dawn (Lullaby)

Lineup
Ben Venet: vocals, guitars
Bruno Levesque: guitars, keyboards, bass, drums
Tommy Denander: solo guitar on
"Drifting Away"
Justine Venet: guest vocals on "Lift Me Up"

Um comentário:

Unknown disse...

Agora sim. Tinha visto os discos por ai e não tinha referencias muito concretas. Agora sim. Com esta aqui, me convenceu!

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...