segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

PETER FRAMPTON RELEMBRA UM CLÁSSICO ABSOLUTO

É simplesmente impossível que qualquer ser humano que se considere remotamente um "fã" de rock não tenha em sua coleção o obrigatório "Frampton Comes Alive", originalmente lançado em 06 de Janeiro de 1976.

Na época, o álbum do então cabeludo Peter Frampton (foto) quebrou todos os recordes de vendagem (foram 6 milhões de cópias apenas nos Estados Unidos) e se tornou o álbum "ao vivo" mais vendido na história da música durante muitos anos. Hoje, esse trabalho ocupa a posição #25.

Em 2011, Frampton celebrou os 35 anos do álbum com a  "FCA 35 Tour", onde tocou seu tracklist na íntegra, além de uma série de sucessos de seus outros - e igualmente ótimos - trabalhos.

Em entrevista ao pessoal da Ultimate Classic Rock, o guitarrista falou sobre "Frampton Comes Alive" e revelou detalhes que certamente passaram despercebidos por muita gente, inclusive seus fãs. 

O detalhe principal sobre o trabalho mais conhecido de Frampton é que, apesar de hoje serem conhecidas como 'clássicas', aquele conjunto de canções foi reunido dos quatro álbuns anteriores que Frampton havia gravado: "Wind Of Change", de 1972, "Frampton's Camel", de 1973, "Somethin's Happening", de 1974 e "Frampton", de 1975.

Quando perguntado a respeito do fato de muita gente desconhecer esse fato, Frampton disse: "Sim, obviamente. Basicamente, aquele álbum é um 'live best of' abrangendo seis anos de trabalho. É isso que o álbum era. E ao invés de lançarmos um 'greatest hits' - já que não tínhamos nenhum 'greatest hit'- acabamos não percebendo que estávamos exatamente aquilo, mas em formato 'ao vivo', mas aquelas canções ainda não eram sucessos ainda".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...