sexta-feira, 22 de março de 2013

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Não resta dúvida de que a Europa é a maior produtora de AOR/Melodic Rock desse lado da galáxia, com grandes bandas e artistas surgindo dos mais diversos países que integram o "velho mundo". Confirmando a tradição de revelar bons sons, chega a Paris, dupla formada por Fréderic Dechavanne e Sébastien Montet, e que certamente cairá nas graças dos amantes dos bons sons com "Only One Life", seu álbum de estréia. Contando com presenças ilustres, como Steve Newman (cuja influência se ouve ao longo de todo o álbum), Robert Säll e o onipresente Alessandro Del Vecchio, a primeira empreitada dos franceses deixa uma excelente impressão.

A primeira canção é "Dancing On The Edge", um radio friendly AOR de primeira categoria onde as guitarras, baixo e teclados estão perfeitamente equilibrados, facilmente conduzindo o ouvinte à um refrão explosivo, onde os backing vocals se destacam. Ótima canção e que merece múltiplas audições, assim como "What Should We Be Saying?", com seus teclados discretos ao longo dos versos e suas guitarras bem postadas, juntamente com o baixo. O andamento é ótimo e o refrão é marcante, como deve ser. Em "South Of Love" as guitarras assumem a linha de frente desde o início, mas não demora muito até que os teclados apareçam discretamente, encorpando a melodia. Com um inegável apelo radio friendly, esse rocker tem um dos melhores refrões do álbum e ''e dos destaques desse trabalho, merecendo audições múltiplas. Já "Every Time You Walk Away" é um mid-pacer destruidor, onde o baixo ganha destaque e as guitarras operam juntamente com os teclados. A melodia é belíssima, contando com um andamento tradicional e um refrão caprichado, o que torna essa canção um dos grandes destaques desse álbum. Janelas abertas e volume máximo se fazem obrigatórios para ouví-la.

Seguimos com "America", que mantém a aura radio friendly em evidência, contando com as ilustres guitarras de Robert Säll (da Work Of Art e W.E.T.) e baixo em primeiro plano, criando a base onde os teclados surgem ocasionalmente. Andamento e métrica perfeitos, refrão certeiro e backing vocals precisamente distribuídos ao longo da canção - e não apenas no refrão - fazem dessa canção outro grande destaque do álbum. Então surge "Longer Than I Care To Remember", um descomunal mid-pacer com base de baixo e teclados, com arranjo envolvente e melodia suave. As guitarras marcam presença sempre de maneira precisa (assim como os poderosos backing vocals), e o refrão é absolutamente arrepiante. Ainda, destaco a interpretação do monsieur Dechavanne, simplesmente irretocável nessa canção que classifico como o grande destaque do álbum. Retomando o caminho rocker, "The Clock" apresenta guitarras e baixo  acompanhados discretamente por teclados bem postados em uma canção cujo arranjo é bem construído e que conta com um refrão grudento, mesmo sem ter aquela carga de energia tradicional. Bela canção que merece sua atenção, assim como "On Fire", rocker bacana que conta com guitarras e teclados bem colocados em uma canção com sonoridade mais tradicional, onde os backing vocals se destacam, uma vez mais. Essa é outra canção que merece múltiplas audições e que deve agradar aos amantes dos bons sons.

Paris: Dechavanne e Montet
Na reta final do álbum temos "When The Lights Fade Away", outro mid-pacer arrebatador onde as guitarras dominam a cena, acompanhadas de perto pelo baixo e por teclados ocasionais. Me agrada bastante a métrica e arranjo, em especial o refrão e o solo de guitarra. Outro grande destaque do álbum que tem como última canção "For The Time Still To Come", uma baladaça de arrepiar, com arranjo envolvente e refrão marcante. Bela escolha para fechar o trabalho .

Em resumo, caríssimas e caríssimos, esse álbum da Paris é muito, mas muito recomendado para quem curte os bons álbuns do Newman. Sim, porque a sonoridade de absolutamente todas as canções lembra demais os melhores momentos da banda de Steve Newman. Mas não confunda influência com cópia, porque o álbum dos franceses é espetacular e tem identidade própria. Contando com músicos experientes (com passagens por Lionville, Hardline, Mitch Malloy e muitos outros) e canções de extremo bom gosto, não é difícil prever que a Paris agradará os entusiastas do bom e velho AOR sem dificuldade alguma. Atesto sem nenhum receio que "Only One Life" é mais que recomendado e, possivelmente, um dos melhores álbuns de 2013...

PARIS - Only One Life
To be released on  April 12th, on Avenue Of Allies
Cat. #Avenue 13 03 0052

Tracklist
01 Dancing On The Edge
02 What Should We Be Saying?
03 South Of Love
04 Every Time You Walk Away
05 America
06 Longer Than I Care To Remember
07 The Clock
08 On Fire
09 When The Lights Fade Away
10 Handle With Care
11 For The Time Still To Come

Lineup
Frédéric Dechavanne: vocals, keyboards
Sébastien Montet: guitars

Guest musicians
Robert Säll: guitars on "America"
Alessandro Mori: drums
Anna Portalupi: bass
Alessandro Del Vecchio: backing vocals
Steve Newman:  backing vocals

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...