sexta-feira, 26 de julho de 2013

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Uma das bandas que eu mais curti na década de 80 foi a Vixen. Não bastasse ser formada apenas por mulheres, o quarteto lançou dois excelentes álbuns naquele período e faziam shows muito bacanas. O primeiro trabalhos das tiazonas - lançado em 1988 - foi muito bem recebido pelos amantes dos bons e permanece em alto conceito até hoje. Alguns singles foram lançados para promover aquele álbum e o que me deu mais trabalho para conseguir foi a edição inglesa de "Edge Of A Broken Heart", canção escrita por Richard Marx e Fee Waybill e que é uma das minhas preferidas na discografia da banda. Além dela, outras três excelentes canções compõe o tracklist desse single que merece a sua atenção.

A primeira canção, como era de se esperar, é "Edge Of A Broken Heart", mas apresentada em um 'extended mix'. A diferença dessa versão para a original está na introdução onde inicialmente só ouvimos a bateria, logo acompanhada por guitarras e por um baixo mais discreto. A primeira parte do primeiro verso se mantém instrumental onde, após uma virada bem montada, os vocais se revelam. Com andamento tradicional e arranjo bem trabalhado, me agrada muito não apenas a métrica, mas também a dinâmica entre versos, bridges (crescentes como devem sempre ser) e o refrão, explosivo e marcante. Mr. Marx participa dessa canção, provendo os teclados ouvidos logo no início e mais discretamente ao longo da canção. Outro ponto que me agrada, especificamente nesse 'extended mix', foi o destaque dado às guitarras e bateria, que por vezes são os únicos instrumentos a acompanhar os vocais, além de o solo final ser muito maior que aquele constante do álbum. Canção que merece sua atenção e volume máximo sempre que possível.

Vixen circa 88: Petrucci, Gardner, Pedersen e Kuehnemund
Seguimos com "Charmed Life", radio friendly rocker que carrega as assinaturas de Jeff Paris e Greg Tripp e que é muito bacana, com guitarras na linha de frente, sempre seguidas de perto por teclados bem postados. O arranjo é bastante simples, assim como métrica e andamento, mas o refrão consegue brilhar apesar de sua simplicidade. Um detalhe é que Ms. Gardner não parece forçar tanto sua voz quanto nessa canção quanto fez na anterior, o que, apesar dos pesares, sempre é um ponto positivo.

Na sequência temos duas versões ao vivo absolutamente demolidoras: a primeira é "Love Made Me", rocker poderoso que conta com linhas de guitarra simples, mas muito bem arranjadas e distribuídas. Gosto demais do andamento e arranjo dessa canção, onde não há espaço para malabarismos e a simplicidade impera. As bridges são excelentes e o refrão é marcante, onde fica claro que as meninas tinham goela suficiente para reproduzir ao vivo o que mostraram em estúdio. E fechando o tracklist temos nada menos que "Cryin'", o maior sucesso da Vixen, sendo mais uma canção a contar com as assinaturas de Jeff Paris e Greg Tripp. A introdução de teclados antecede as guitarras e bateria sempre impecáveis, dentro de um arranjo mais elaborado e que conta com bridges matadoras e um refrão caprichado e marcante. E a versão ao vivo ganha uma dimensão ainda maior. Canção excelente para fechar esse single.

Um fato lamentável é que não existe nenhuma gravação original da Vixen ao vivo entre 1988-1991. Os shows eram muito bons e mostrava que a mulherada entendia do negócio. Entre os singles da Vixen que tenho, esse é um dos preferidos justamente pelas versões ao vivo constantes do tracklist. Mas o 'extended mix' também é muito bacana e o conjunto todo merece espaço em sua coleção.

VIXEN - Edge Of A Broken Heart CDS
Released in 1988 via EMI
Cat. # CDMT 48

Tracklist
01 Edge Of A Broken Heart (Extended Mix)
02 Charmed Life
03 Love Made Me (Live)
04 Cryin' (Live)

Lineup
Janet Gardner: vocals, guitars
Jan Kuehnemund: guitars, vocals
Roxy Petrucci: drums, vocals
Share Pedersen: bass, vocals

Guest Musicians
Richard Marx: keyboards on "Edge Of A Broken Heart"
Derek Nakamoto: keyboards

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...