segunda-feira, 5 de agosto de 2013

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM ROBIN BECK

Robin Beck volta à ativa nesse mês, com "Underneath"
A veterana Robin Beck retornará ao cenário dos bons sons no dia 12 próximo, quando "Underneath" chegar às lojas via HMMR Records/ Cargo Records. O oitavo álbum de material inédito de Ms. Beck mantém o approach mais contemporâneo já mostrado em alguns trabalhos anteriores e também traz alguns ilustres convidados.

Recentemente conversei com a sempre gentil Ms. Beck e focamos o papo em seu mais recente trabalho que já foi, inclusive, comentado aqui. Espero que vocês curtam o resultado da conversa. Enjoy...

01 Normalmente você aparece como compositora em seus álbuns, mas em "Underneath" você é co-autora de apenas duas canções, e permitiu que outros compositores lhe enviassem material antes das gravações começarem. Quem foi essa idéia e porque você decidiu correr esse risco?

Robin Beck: Os dois anos anteriores à gravação do álbum foram bastante difíceis, e precisávamos de uma perspectiva nova depois de tudo o que enfrentamos com perdas familiares e problemas de saúde. James foi muito inteligente ao trazer pessoas novas e quando ouvimos as canções dos Crush Boys e Barry Jay sabíamos que estávamos no caminho certo. 

02 Eu imagino que você deva ter recebido muito material. Quantas canções potencialmente boas foram deixadas de fora do álbum? 

Robin Beck: É algo mais para quantas canções ruins foram deixadas de fora do álbum (risos)... porque entramos nessa (risos)... mas falando sério, recebemos muitas canções mas como sempre, as melhores se destacaram. Você deve se considerar com sorte se conseguir encontrar cinco canções boas entre nove que você não escreveu. Aquelas que não tinham chance foram descartadas logo no início. É um risco que você corre quando você recorre à colaboradores externos, precisa revirar as pedras até encontrar as pérolas.

03 Você sabe que não sou fã de covers, mas me impressionei com o resultado final das canções que você regravou. Vamos começar com "Ain’t That Just Like Love", um dos maiores sucessos da Fiona, lançado em 1992. Foi uma escolha sua regravá-la? E porque essa canção, especificamente?

Robin Beck: Há!!! Fi e eu somos muito amigas e é claro que cantar uma de suas canções foi muito bacana. Eu a escolhi porque a ouvi tocando no estúdio. James estava ouvindo-a a todo volume e tive a idéia na hora! Foi muito bom ver a reação da Fiona... ela riu muito e acabou gravando backing vocals. Foi uma boa escolha.

04 O outro cover é da excelente "Follow You", de Glen Burtnik. Me permita a redundância de querer saber os motivos que a levara, a escolher essa canção... 

Robin Beck: Ah, isso tem história! Eu ouvi essa canção antes mesmo de ser lançada. Eu sabia que queria gravá-la um dia, e foi um jogo de espera. O mais perto que havia chegado disso foi cantá-la ao vivo, e a canção fez tanto sucesso nos anos 80 que eu não sabia se conseguiria fazer jus à ela. Mas depois de cantá-la no Firefest e na minha última tour em 2012 resolvi resgatá-la. Fico feliz que você tenha gostado, eu adoro essa canção! 

05 E um detalhe importante é que o próprio Burtnik tocou guitarra em sua regravação. Foi fácil trazê-lo? E como você se sentiu com isso?  

Robin Beck: Foi muito fácil para mim (risos)... e talvez tenha sido até um pouco inconveniente para Glen porque ele tem um calendário bastante cheio. Ele é um cara maravilhoso e a canção prova que ele também é um compositor excelente. Tenho muita sorte de ter podido contar com ele no meu álbum.

06 Você tem alguma canção favorita no tracklist? Deve ter, ao menos uma (risos). Conte-nos qual é essa canção e os motivos pelos quais ela é a preferida. 

Robin Beck: Eu tenho algumas mas a favorita é "Wrecking Ball". Essa canção me anima.Ela se destaca, é pesada e bastante melódica. E as letras retratam James e eu. 

07 Você tem colaborado bastante com Tommy Denander nos últimos anos. Qual é o tamanho da influência dele em seu trabalho?  

Robin Beck: Quando Tommy e eu trabalhamos juntos são momentos mágicos. Temos uma idéia e a buscamos até capturá-la. As canções dele me inspiram e foram parte de como encontrei meu chão novamente. Tommy é um compositor maravilhoso e quando ele está inspirado não pode ser comparado à ninguém. 

08 Falando sobre músicos, você também tem trabalhado bastante com Jimi Bell, BJ Zampa e um tal de James Christian, da House Of Lords. Como é, para você, trabalhar com todos eles e evitar que seu álbum acabe soando como o material da banda? 

Robin Beck: Isso é bem fácil. Os meninos entendem a diferença. Temos composto e tocado juntos há tempo suficiente para conhecermos os limites de nossos próprios trabalhos. James, é claro, é quem orquestra as novas canções, especialmente quando o pessoal da House Of Lords está envolvido. 

09 Recentemente você fez dois shows na Suécia, como parte do Legends: Voices Of Rock, onde Joe Lynn Turner e Bobby Kimball também se apresentaram. Como você se sentiu dividindo o palco com dois vocalistas da magnitude deles?  
Robin Beck: Foi ótimo! Eles são muito gentis apesar de suas caras de mal (risos). Joe, em especial, é um doce de pessoa. Me perdoe Joe, se você ler isso aqui, mas você sabe que essa é minha opinião. A voz dele é incrível e ele ainda está em plena forma. Bobby Kimball é um perfeito cavalheiro.  Ele canta demais e é uma pessoa incrível. Não conheço muitas pessoas sobre as quais eu possa emitir uma opinião igual. Eu estava um pouco temerosa em conhecê-lo... por causa do Toto!!! E quando o encontrei me senti muito a vontade com ele, ele é imcrível. Mal posso esperar para chegar às Ilhas Faroe (seja lá onde isso for, pode até ser a ilha de "Lost") onde nos apresentaremos juntos no dia 09 de Agosto.

10 Você tem promovido "Underneath" nesses shows, mas há alguma outra data com um show apenas seu? 

Robin Beck: Eu farei um show na Alemanha no dia 03 de Outubro, em Stuttgart. É um festival a céu aberto mas também transmitido ao vivo pelo rádio. Planejo incluir algumas canções como "Wrecking Ball", que deverá ser o primeiro single.

11 E o Brasil, Robin? Será que teremos a oportunidade de vê-la ao vivo por aqui? . 

Robin Beck: Isso seria maravilhoso! Eu quase fui com a House Of Lords alguns anos atrás. Eu adoraria tocar no Brasil, e irei na primeira oportunidade que tiver!!!

Robin, foi um grande prazer falar contigo novamente. Agradeço demais pela atenção e apoio ao longo dos anos e espero notícias suas em breve. Lhe desejo todo o melhor e muito sucesso com o novo álbum. Como sempre, as portas da AORWatchTower estão sempre abertas à você. 

Robin Beck: Muito obrigada, Juliano. É sempre um prazer falar com você. Gostaria de pedir à seus leitores que mantenham contato comigo via Facebook ou via meu site oficial. Lá, todos podem saber as datas de futuros shows. Nunca se sabe quando posso aparecer onde vocês vivem. E ouçam o novo álbum, "Underneath", disponível a partir de 15 de Agosto no iTunes. E que Deus os abençoe à todos. 

3 comentários:

Daniel Punisher disse...

Aeeee

Marcelo disse...

Álbum aguardadissimo! Excelente entrevista!

Unknown disse...

otimo! Tal vez ela seja uma boa escolha para sustituir o Trixter no Firefest.

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...