sexta-feira, 15 de abril de 2016

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Em 1999, Dann Huff foi contatado pela Frontiers Records com a proposta de reativar o Giant, então parado haviam nove anos. Huff conversou com os outros integrantes e a resposta foi positiva. Dois anos depois, "III" chegava às lojas com uma seleção de canções inéditas e outras que acabaram não incluídas nos espetaculares "The Last Of The Runaways" e "Time To Burn". E apesar do considerável espaço de tempo, o Giant mostrou que não havia sido afetado pelo longo hiato.

Depois da dispensável introdução "Combustion" (dispensável como quase toda introdução costuma ser), chega a arrasadora "You Will Be Mine", uma dose cavalar do melhor AOR que o Giant sabia fazer, onde guitarras e teclados disputam incansavelmente a atenção do ouvinte, além de contar com um refrão maiúsculo, impulsionado por backing vocals caprichados. Essa canção desponta como um dos grandes destaques do álbum, assim como a ótima "Over You", radio friendly AOR na mesma linha da canção anterior, contando com arranjo menos incisivo e dinâmica mais cadenciada, mas mantendo a aura envolvente do mais tradicional AOR "made in the U.S.A." e os backing vocals matadores. Em seguida temos "Don't Leave Me In Love", power ballad escrita em colaboração com o genial Mark Spiro, autor da gravação original datada de 1997. A versão do Giant, contudo, é infinitamente superior, com andamento mais apropriado, teclados mais bem distribuídos e backing vocals que enriquecem - e muito - o refrão envolvente. E esse conjunto de elementos faz dessa canção mais um grande destaque do álbum.

Outra canção que conta com a assinatura de Mark Spiro é "Love Can't Help You Now", rocker centrado - de maneira quase restrita - nas guitarras, sendo que os teclados tem papel claramente secundário, assim como os backing vocals. E mesmo com essa mudança significativa, a canção se destaca e merece ser apontada de maneira diferenciada dentro do tracklist. Já "Sky Is The Limit" tem mais pegada, com bateria e baixo mais dinâmicos, acompanhados discretamente por teclados em segundo plano. Foram mantidos, entretanto, os backing vocals incendiários a que estamos acostumados o que só agrega ainda mais brilho a mais um destaque desse álbum. Enquanto isso, "It's Not The End Of The World" coloca o Giant no caminho das baladas, um tipo de canção que a banda dominava com facilidade. O arranjo envolvente e a melodia marcante comprovam a qualidade de mais esse destaque do álbum, sendo merecedor de sua total atenção.

Giant, circa 2001: Dann Huff, David Huff e Mike Brignardello
Com uma levada mais animada, "Oh Yeah" carrega todos os melhores elementos das criações do Giant (guitarras+teclados+backing vocals) colocados em primeiro plano, o que resulta em um radio rocker avassalador, qualidades que contrastam absolutamente com a linda "Can't Let Go", balada com uma delicada base acústica pontuada por guitarras ocasionais em um dos melhores momentos do álbum que ainda conta com "Bad Case Of Loving You", rocker originalmente gravado por Moon Martin em 1978, mas que ficou mundialmente conhecido pela versão que Robert Palmer lançou um ano depois. Aqui, o Giant injetou uma dose de adrenalina e transformou essa canção em um rocker matador, com guitarras onipresentes e em primeiro plano. Não há exagero nenhum em apontar essas três canções como destaques do álbum. Ainda, essa edição japonesa conta com quatro canções ao vivo, gravadas durante a tour promocional do clássico "Time To Burn", em 1992. Todas as canções são bastante fiéis ao que foi gravado em estúdio, com óbvias variações no final de cada uma delas, todas impecáveis e implacavelmente excelente.

Em resumo, caríssimas e caríssimos, "III" é um álbum espetacular. O que me parece mais impressionante é o fato de ele ser um tipo Frankenstein, tendo diversas partes diferentes reunidas em um todo e de maneira muito harmoniosa. Podemos ter uma vaga idéia do que teria sido, de fato, o terceiro álbum do Giant, já que o intervalo imposto pela banda interrompeu o processo criativo. Seja como for, não há como negar que esse álbum encerrou, de maneira muito positiva, a breve e brilhante carreira do Giant, e digo isso porque o álbum lançado com Terry Brock soa mais como o trabalho de uma 'banda tributo'. Enfim, "III" merece um lugar em sua coleção não apenas pelas bonus tracks exclusivas, mas sim pelo conjunto da obra, coeso, de alta qualidade e com musicalidade muito acima da média... ainda hoje.

GIANT - III
Released in 2001 via Avalon (Japanese Pressing)
Cat. #MICP-10277

Tracklist
01 Combustion
02 You Will Be Mine
03 Over You
04 Don't Leave Me In Love
05 Love Can't Help You Now
06 The Sky Is The Limit
07 It's Not The End Of The World
08 Oh Yeah
09 Can't Let You Go
10 Bad Case Of Lovin' You (Doctor, Doctor)
11 I'm A Believer (Live)
12 Chained (Live)
13 The Big Pitch (Live)
14 Cause We've Ended As Lovers (Live)

Lineup
Dann Huff: guitars, vocals, keyboards
David Lyndon Huff: drums, percussion, vocals
Mike Brignardello: bass, vocals

Guest musicians
Larry Hall: keyboards
Mark Spiro: backing vocals
Terry Thomas: backing vocals
Robert White Johnson: backing vocals

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO

Caríssimas e caríssimos Hoje me dirijo à São Paulo para o show dos irlandeses do U2. Com isso, a Recomendação Da Semana não será...