sexta-feira, 28 de outubro de 2016

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Toda banda/artista tem um trabalho considerado clássico pelos fãs e/ou crítica. Aquele álbum é tido como referência de um período ou, em muitos casos, de toda uma carreira e, nesse caso, a jóia da coroa dos britânicos do FM sempre foi o descomunal "Indiscreet", lançado em 1986. Um belíssimo representante do melhor AOR europeu da década de 80 e que, em 2012, ganhou uma excelente versão extendida, com alguns remixes e canções ao vivo. Aquela edição me satisfaria como fã da banda desde o início de sua carreira, mas por algum motivo, a banda decidiu regravar seu trabalho mais marcante. 

Essa estratégia de regravação costuma visar readquirir direitos sobre o material (honestamente, não sei se é o caso aqui) e, costumeiramente, traz resultados desastrosos, salvo raríssimos casos, como aconteceu com o Harem Scarem em 2013, quando revisitaram o descomunal "Mood Swings" de maneira irretocável. Tão verdade que até as novas canções são excelentes. No caso do FM, essa nova edição de "Indiscreet" traz sete canções extras, mas apenas uma delas é inédita; todas as outras já apareceram nos álbuns e E.P.'s lançados a partir de 2010. 

Sobre o álbum, o baixista Merv Goldsworthy disse: "Não estamos tentando recriar o original, mas esta é a nossa interpretação do FM hoje, com a sonoridade do FM 2016". Pois bem, se você encarar o álbum desse ponto de vista, o resultado é excelente.

Há que se considerar o fatos das três décadas passadas desde o lançamento do álbum, o que implica ouvir o sempre irretocável Steve Overland usar sua voz uns tons abaixo do que temos por referência. É um detalhe que não compromete o álbum de maneira alguma, desde que você deixe o saudosismo de lado. Na medida do possível, pouco mudou em comparação com o álbum original, mas nota-se algumas guitarras e teclados com mais destaque de vem em quando. Também fica evidente que os backing vocals não são mais tão potentes e isso faz bastante falta em alguns momentos. E algumas canções ganharam backing vocals onde originalmente não havia nenhum.

Ainda, as guitarras ganharam mais destaque, mas sem tirar espaço dos teclados. Muitos dos fade out foram extendidos e executados como a banda fazia ao vivo, um detalhe bem bacana no álbum. E há que se elogiar o ótimo trabalho que Jim Kirkpatrick fez ao recriar os riffs e licks de Chris Overland. Já Jem Davis deixa a desejar em muitos momentos (e não por falat de talento, mas por opção de equipamento) quando comparado com Didge Digital, mas confesso essa opinião é de fã mesmo. Para muitos de vocês, esse detalhe pode passar batido.  

Mas vamos falar das canções inéditas: "Let Love Be The Leader" foi lançada como single em 1986 e nunca havia aparecido em nenhum álbum oficial do FM até o já citado relançamento de  "Indiscreet", há quatro anos. A versão apresentada aqui tem a mesma introdução do extended remix, com o acréscimo de uma guitarra mais proeminente e também de um final mais longo, mas os teclados ficam muito aquém do desejado. Ainda, como essa canção exige muito no aspecto vocal, o resultado final é bem mediano. Uma pena, já "Let Love Be The Leader" é uma das canções mais bacanas do FM em sua fase oitentista.

FM, circa 2016: Jem Davis, Jim Kirkpatrick,
Steve Overland, Pete Jupp e Merv Goldsworthy
"Running On Empty" é um radio friendly rocker segue a linha melódica que o FM vem apresentando nos últimos anos e que retrata com precisão a sonoridade atual da banda, com uma melodia fácil aliada a um arranjo envolvente, que privilegia as guitarras em conjunto com os inconfundíveis vocais de Mr. Overland, soando mais como o material de ambos os "Rockville" do que ouvimos em "Heroes & Villains", por exemplo.

De maneira geral, as estruturas melódicas foram todas mantidas (com exceção de uma ou outra coisa) e, assim sendo, você sabe o que esperar, musicalmente falando. As reinterpretações ficaram bacanas (dentro do possível) e soam interessantes quando comparadas às versões originais. É claro que seria muito mais vantajoso para nós - os fãs - que a banda apresentasse um álbum todo de material inédito, mas acredito que está na hora do FM dar um passo para trás, olhar com atenção o caminho tomado em 2010 e planejar com cuidado o que pretende apresentar daqui em diante. Essa fórmula AOR/Pop rock já está bastante cansada e previsível e uma banda do porte do FM não merece - e nem pode - se contentar em ficar no lugar comum. O universo dos bons sons aguarda asioso pelo retorno daquele FM que surpreendeu a todos quando, no início dos anos 90, virou a mesa com "Aphrodisiac", um de seus mais relevantes álbuns, Está na hora da banda virar a mesa novamente...

FM - Indiscret 30
To be released on Nov. 04th, via Frontiers Records
Cat. #FR CD 727

Tracklist
01 That Girl
02 Other Side Of Midnight
03 Love Lies Dying
04 I Belong To The Night
05 American Girls
06 Hotwired
07 Face To Face
08 Frozen Heart
09 Heart Of The Matter
10 Let Love Be The Leader
11 Running On Empty (New Song)
12 Rainbow's End
13 Shot In The Dark
14 Bad That's Good On You
15 Love & Hate
16 That Girl (Acoustic Version)

Lineup
Steve Overland: vocals, guitars
Pete Jupp: drums, backing vocals
Merv Goldsworthy: bass, backing vocals
Jim Kirkpatrick: guitars, backing vocals
Jem Davis: keyboards

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O IMPRESSIONANTE BOXSET DE "1987", CLÁSSICO DO WHITESNAKE

Grande clássico do Whitesnake ganha edição caprichada  para  comemorar seu  30º aniversário Lançado em 04 de Abril de 1987, o álbum ...