sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Existem várias bandas por aí que buscam emular os excelentes sons do Toto, mas poucas conseguem resultados satisfatórios, ainda mais quando apresentam material próprio. Mas os italianos da Mindfeels são o ponto fora da curva, já que apresentam altíssima qualidade nas performances tocando apenas material composto pela banda. Na estrada há mais de 20 anos (quando a banda ainda era um trio e se chamava Dejanira,tocando apenas versões instrumentais do catálogo do Toto), a Mindfeels já teve uma vocalista (a talentosa Rafaella Miani, que gravou um álbum nunca lançado com a banda) antes que Davide Gillardino assumisse a posição. Praticando aquela característica mistura do westcoast tradicional da costa oeste norte-americana, aliado aos melhores elementos do AOR da terra do Tio Sam, os italianos da Mindfeels merecem sua atenção.

O álbum é absolutamente coeso e diversificado no que tange o tracklist, mesmo com as imposições que o estilo apresenta, mas a aura westcoast/AOR se mostra presente em todas as canções, como se percebe facilmente nos excelente rockers "Don't Leave Me Behind" e "Soul Has Gone Away", assim como em "Hidden Treasures", um mid-pacer caprichado com uma levada envolvente impulsionada por bateria e baixo, na melhor tradição do Toto. Essas três canções devem ser suficientes para lhe convencer da excelência da banda e seu material, sendo todas merecedoras de múltiplas audições e volume máximo, as usual...

Na ótima "The Joker" (com viradas excelentes) a banda mostra porque é merecedora da comparação com o Toto, apresentando um arranjo riquíssimo, muito bem trabalhado e executado à perfeição, características que se revelam também na intrincada "Skyline" e também em "Speed", apesar da menor intensidade mas com a mesma qualidade, com sua sólida base de bateria/baixo/piano, precisamente pontuada por guitarras. Múltiplas audições, volume máximo e air guitars são recomendadas...

A balada "These Words" é um dos momentos mais brilhantes do álbum, mas também são merecedores de sua irrestrita atenção os rockers "Fear" e "The Number One" (com seu arranjo de múltiplas faces e monumentais 7 minutos), além da swingada "Touch The Stone" (onde, uma vez mais, baixo e bateria assumem a linha de frente, mas agora acompanhados por guitarras precisamente distribuídas) e da intimista "It's Not Like Dying", onde a banda mostra, de maneira definitiva, porque é merecedora de todas as comparações com a banda de Steve Lukather.

Os italianos da Mindfeels: Carlomagno, Gilardino,
Barazzotto e Graziana
Em resumo, caríssimas e caríssimos, os italianos da Mindfeels surgem como uma bela surpresa na reta final do ano. Apresentando qualidade de sobra e muito talento, a banda não foge às menções que os comparam com o Toto (especialmente em sua fase 90's), até porque essa parece ser a intenção. Mas é leviano não reconhecer que a banda tem cumpre absolutamente todos os requisitos para consolidar uma carreira dentro do segmento westcoast. Com canções cuidadosamente construídas, arranjos belíssimos e muita competência na execução do material, a Mindfeels não é apenas recomendada aos fãs do Toto, mas principalmente a quem busca aquela qualidade que não se ensina e que é característica dos grandes nomes do universo dos bons sons. Não tenha dúvida: "XXenty" vai te surpreender...

MINDFEELS - XXenty
Released on Nov. 17th 2017, via Art Of Melody Music
Cat. #AOM002

Tracklist
01 Don't Leave Me Behind
02 Soul Has Gone Away (assista ao vídeo aqui)
03 Hidden Treasures
04 The Joker
05 Skyline (assista ao lyric video aqui)
06 Speed
07 These Words
08 Fear
09 It's Not Like Dying
10 Touch The Stone
11 The Number One

Lineup
Davide Gilardino: vocals
Luca Carlomagno: guitars, violins, keyboards
Roberto Barazzotto: bass
Italo Graziana: drums

Guest musician
Christian Rossetti: keyboards

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ENTREVISTA COM ERIK GRÖNWALL

Quando assumiu a posição de frontman do H.E.A.T. , em 2012, Erik Grönwall era apenas mais um nome promissor no mercado musical sueco. E...