sexta-feira, 12 de julho de 2019

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Com uma rica discografia e grandes canções no currículo, o FM tem um dos nomes mais respeitados no universo dos bons sons há mais de 30 anos. E mesmo com altos e baixos, a qualidade sempre acompanha os lançamentos da banda, em maior ou menor proporção. Por vezes, alguns álbuns precisam de algum tempo para maturar apropriadamente, e "Dead Man's Shoes" - lançado em 1995 - me parece ser um desses álbuns. Marcando a estréia de Jem Davis, o trabalho traz uma sonoridade mais madura (de maneira geral), mas "Tattoo Needle" é uma ponte para o glorioso passado AOR que a banda, até hoje, insiste em revisitar. O único single daquele álbum não teve a divulgação apropriada e acabou sendo engolido pelo mercado, mas o tempo provou que o material merecia mais atenção.

"Tattoo Needle" é um radio friendly AOR contagiante, com guitarras na linha de frente e teclados discretíssimos, mas muito bem distribuídos. O arranjo envolvente e a melodia grudenta funcionam à perfeição quando os inconfundíveis vocais de Mr. Overland entram em cena, agregando aquela já mencionada qualidade onipresente. Com b-sections crescentes e um refrão matador, essa canção é o grande destaque do álbum de 1996 e, sem dúvida alguma, um dos mais brilhantes momentos do FM na década de 90. Um belíssimo exemplar de AOR, merecedor de volume máximo em múltiplas e barulhentas audições.

"Locomotive Love" é um excelente rocker com velada influência blues, percebida desde o início com arranjo de metais e também com a métrica dos versos. Mr. Overland se dá muito bem nessas incursões pelo bluesy rock (haja vista o fantástico "Live Acoustical Intercourse" - também conhecido por "No Electricity Required" - e o arrebatador "Aphrodisiac", ambos de 1992) e essa canção só faz corroborar tal afirmação. Com uma interpretação enxuta e precisa, a banda acabou por criar uma de suas mais eficientes e bem trabalhadas canções com a aura blues, sendo assim merecedora de volume máximo e múltiplas audições.

"I Don't Wanna (Play These Games)" mantém presente a aura bluesy, mas o andamento um pouco mais dinâmico confere um brilho a mais e faz com que essa canção se afaste da eminente mesmice, caso mantivesse um formato mais tradicional. E mesmo com o refrão bem mais contido, a canção desce bem e faz bonito papel.  Mais uma grande canção dos britânicos, merecedora de sua irrestrita atenção.

FM, circa 1995: Davis, Jupp, Barnett,
Goldsworthy e Overland
Em resumo, caríssimas e caríssimos, "Tattoo Needle" é o fiel registro da transição pela qual o FM passava na década de 90. Em 1995, os britânicos deram início a um hiato que durou 12 anos, retomando a carreira com o mesmo lineup e lançando um novo trabalho de inéditas somente em 2010, mas essa é outra história. As canções 2 e 3 eram exclusivas desse single até serem incluídas na espetacular coletânea "Paraphernalia" (lançada exclusivamente no Japão), mas ainda hoje me parece mais fácil encontrar o single do que a coletânea. Seja como for, "Tattoo Needle" é um documento relevante na história do FM e, por isso mesmo, material mais que recomendado...

FM - Tattoo Needle CDS
Released in 1996 via Raw Power
Cat. #RAWX 1015

Tracklist
01 Tattoo Needle
02 Locomotive Love
03 I Don't Wanna (Play These Games)

Lineup
Steve Overland: vocals, guitars
Merv Goldsworthy: bass, vocals
Pete Jupp: drums, vocals
Andy Barnett: guitars, vocals 
Jem Davis: keyboards

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...