sexta-feira, 18 de outubro de 2019

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Um dos mais respeitados e conhecidos nomes no universo dos bons sons, a Work Of Art cresce magistralmente a cada álbum lançado e já desfruta de um patamar invejável, apesar da curtíssima carreira, que contabiliza três álbuns ao longo de 11 anos. Amparada nas fantásticas canções de Robert Säll e nos irretocáveis vocais de Lars Säfsund, a Work Of Art se prepara para lançar "Exhibits", seu quarto trabalho e o primeiro desde 2014. Produzido pela própria banda, esse novo trabalho traz a sonoridade que a fez respeitada e reconhecida, e mesmo sem grandes novidades, este é um álbum para ser ouvido várias vezes.

Uma das características que mais agrada na Work Of Art é a capacidade de equilibrar teclados e guitarras de maneira tão natural que até parece fácil, e esse detalhe transparece logo de cara na frenética "Misguided Love", na explosiva "Be The Believer" e no envolvente mid-pacer "Another Night", canções que representam de maneira exata a direção musical do álbum. Aquela tradicional qualidade transborda e volume máximo e múltiplas audições são recomendadas.

Guitarras e teclados crescentes abrem caminho para "This Isn't Love", enquanto "Gotta Get Out" favorece o baixo ao longo dos versos (mas b-sections e refrão têm guitarras e teclados com força total). Já o rocker "Come Home" revela sua imponência desde a introdução com guitarras e bateria na linha de frente, elementos também presentes na excelente "If I Could Fly" e na arrebatadora "Destined To Survive", onde os teclados assumem protagonismo em boa parte da canção mas nunca em detrimento das guitarras. Uma vez mais, múltiplas audições em volume máximo são recomendadas.

Na reta final temos a ótima "Scars To Prove It" (guitarras onipresentes e teclados caprichosamente distribuídos), seguida pela espetacular "What You Want From Me" (que refrão!!!), enquanto o surpreendente mid-pacer "Let Me Dream" surge do lado mais westcoast da lua, fechando o álbum de maneira inesperada e em alto nível.

Work Of Art, circa 2019: Säll, Säfsund e Furin
Em resumo, caríssimas e caríssimos, a Work Of Art nos traz exatamente o que esperamos dela: canções cuidadosamente construídas e magistralmente interpretadas. Curiosamente, há uma sensação de já termos ouvido algumas dessas canções em outros álbuns da banda, o que mostra que os suecos se mantiveram fiéis a direção musical que adotaram em 2008. Logicamente, há uma notável evolução  entre cada um dos álbuns, mas também está presente uma linha musical muito bem definida e de onde a banda pouco se afasta (ainda bem). Me agrada muito o fato de os suecos não serem seduzidos pelos modernismos rasteiros que encontramos tão facilmente hoje em dia. E confesso ter dificuldade em apontar o trabalho que mais gosto na discografia da Work Of Art e "Exhibits" não me ajuda nessa tarefa, sendo tão bem produzido e composto por canções tão marcantes quanto seus predecessores. Mais uma vez, Säll, Säfsund e Furin entregam exatamente o que se espera deles e isso já é motivo de comemoração. Sem dúvida alguma, "Exhibits" é um dos destaques do ano...

WORK OF ART - Exhibits
To be released on Nov. 08th, via Frontiers Records
Cat. #FR CD 995

Tracklist
01 Misguided Love
02 Be The Believer (assista ao vídeo aqui)
03 Another Night
04 This Isn’t Love
05 Gotta Get Out
06 Come Home
07 If I Could Fly
08 Destined To Survive
09 Scars To Prove It
10 What You Want From Me
11 Let Me Dream

Lineup
Lars Säfsund: vocals , keyboards, programming
Robert Säll: guitars, keyboards, programming
Herman Furin: drums

Guest musicians
Jonas Gröning: keyboards
Jonas Öijvall: keyboards
Marcus Möller: keyboards
Robert Elovsson: keyboards
Vince DiCola: keyboards
Shem Von Schroek: bass
Andreas Passmark: bass
Nalle Påhlsson: bass
Henrik Linder: bass
Figge Boström: bass
Mikael Emsing: percussion

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...