quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

HÁ EXATOS 30 ANOS, O JOURNEY FAZIA SEU ÚLTIMO SHOW COM STEVE PERRY

Este texto foi originalmente publicado pela Ultimate Classic Rock, e pode ser lido aqui.

O Journey estava na metade da tour norte-americana quando se apresentou na Sullivan Sports Arena, em Anchorage, no dia 01 de Fevereiro de 1987. Mal sabiam eles que aquele seria o último show da banda com Steve Perry.

Journey circa 1986: Randy Jackson, Jonathan Cain,
Steve Perry, Neal Schon e Mike Baird
Quando a banda encerrou  o show com "Faithfully", também encerraram o capítulo da ascensão à fama da banda. E apesar de um outro álbum ter sido gravado e uma participação de 10 minutos em um show m 1991, aquele foi o último show - propriamente dito - que Perry fez com o Journey.

Havia grande tensão entre Perry e Neal Schon. Depois do lançamento de três álbuns clássicos - "Escape", "Frontiers" e "Raised On Radio"- o Journey havia se tornado, indiscutivelmente, massivo. Mas Perry demitiu o baixista Ross Valory e o baterista Steve Smith pouco antes das gravações de "Raised On Radio", em 1986, e as coisas não estavam bem.

O vocalista, que também estava produzindo o álbum, disse mais tarde que estava esgotado, enquanto lidava com a doença e posterior morte de sua mãe durante as sessões de gravação. Aquela situação levou ao rompimento de relações com a banda em Achorage. Perry se recusou a continuar a tour, os shows subsequentes foram todos cancelados e a banda entrou em um longo hiato.

Perry ainda tinha um outro argumento em seu favor: seu álbum solo "Street Talk" - de 1984 - havia lhe conferido ainda mais aclamação popular e poderia se especular que ele não precisaria mais do Journey. A presença de canções de seu trabalho solo - "Strung Out" e "Oh, Sherrie"- no setlist da "Raised On Radio Tour" sugeria que ele estava em uma posição privilegiada em relação aos colegas de banda, e que eles haviam aceitado aquilo.

Quando o lineup clássico se reuniu para gravar "Trial By Fire", em 1996, Perry sofreu um acidente e machucou gravemente seu quadril. Mas o que o impediu de fazer a tour de 18 meses foi a recusa em fazer a cirurgia que resolveria o problema. Com o tempo passando, Schon deu um ultimato: ou fazia a cirurgia ou seria demitido da banda. Perry escolheu a segunda opção, alegando que estava sendo indevidamente pressionado por seus colegas e dizendo que jamais trabalharia com eles novamente, apesar de ter se reunido com todos na cerimônia que conferiu à banda uma estrela na Calçada da Fama, em 2005.

O Journey segiu em frente com Steve Augeri e depois com Jeff Scott Soto, antes de contratarem o vocalista Arnel Piñeda, em 2007. Perry desapareceu por muito tempo, mas começou a ressurgir discretamente a partir de 2010, fazendo aparições em alguns shows de outras bandas, e também em discussões sobre um possível novo álbum solo.

Em Abril próximo, o Journey será incluído no Rock And Roll Hall Of Fame, trazendo a possibilidade da primeira apresentação de Perry com a banda em 26 anos. Piñeda disse estar ansioso pela oportunidade de, finalmente, conhecer Perry. Schon disse ter esperança também. "Eu adoraria tê-lo cantando uma canção conosco... ou duas, tanto faz. O que seria ainda maior seria tê-lo cantando uma canção com Arnel também. Estou aberto a tudo. Estou de cabeça aberta para qualquer coisa", disse o guitarrista.
Journey circa 1996: Ross Valory, Neal Schon,
Steve Smith, Jonathan Cain e Steve Perry

Mas Perry se manteve discreto em relação a sua possível aparição na cerimônia, se limitando a dizer "Eu estou agradecido que o Journey será incluído no Rock And Roll Hall Of Fame".

Se Perry quer uma reunião, isso é problema dele. (Ele disse uma vez "Eu nunca me senti realmente como parte da banda"). Dizer que Perry precisa de uma reunião é duvidoso, ao menos para Schon. Em 2016, o guitarrista disse: "O que as pessoas não parecem entender é que não poderíamos estar melhor nesse momento, mesmo que Steve estivesse conosco. Foi muito trabalhoso colocar a banda novamente nos eixos, mas quer saber? Aqui estamos nós outra vez. Estamos aqui, presentes. Nosso empresário é o primeiro a dizer que não poderíamos ser maiores agora".

Seja lá o que acontecer em Abril, parece que aquele setlist de 21 canções em 1987 foi a última vez que "a voz" se apresentou com a banda que ele próprio ajudou a catapultar à estratosfera do rock. Perry já havia dito em 2014, "Eu não sou a pessoa que era 30 anos atrás. Aquela pessoa se foi".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MIKKEY DEE FALA SOBRE OS SCORPIONS

Mikkey Dee é o atual batera dos Scorpions Há pouco mais de um ano, o sueco Mikkey Dee foi anunciado como baterista oficial dos Scorpio...