quinta-feira, 9 de agosto de 2018

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM CLIF MAGNESS

Um dos mais respeitados nomes no universo dos bons sons, Clif Magness atira para todos os lados: vocalista, compositor,produtor e multi-instrumentista, o texano da Lubbock já escreveu canções para Quincy Jones, Wilson Phillips, Celine Dion, Amy Grant, Steve Perry, Jermaine Jackson, Sheena Easton e muitos outros grandes nomes do cenário musical. Não bastasse isso, Magness é integrante fundador do Planet 3 e autor de "Solo", um álbum que ainda hoje serve como referência de qualidade. E agora, 24 anos depois de seu único trabalho, Magness retorna com "Lucky Dog", um dos mais festejados álbuns de 2018.E foi sobre esse trabalho que Magness gentilmente concordou em conversar comigo e você confere o papo na íntegra, com exclusividade para a AORWatchTower.

01 Em primeiro lugar, parabéns por "Lucky Dog". Um álbum fantástico e digno sucessor de "Solo". E falando nisso, lá se foram 24 anos desde seu lançamento. Acredito que, ao longo dos anos, você tenha tido propostas para retomar a carreira. Por que só agora?

Clif Magness: Obrigado, Juliano. Com o advento das mídias sociais, muitos fãs ao redor do mundo pediam insistentemente por um novo álbum, então agora me pareceu ser esse o momento certo.

02 Você é um compositor muito prolífico e acredito que haviam algumas canções sobrando quando você começou a escrever "Lucky Dog". Você usou alguma canção que já estava escrita anteriormente no novo álbum?

Clif Magness: A maioria das canções em "Lucky Dog" são novas. Duas canções já haviam sido começadas anos antes e soavam perfeitas para esse projeto, então eu as terminei. Todo o resto foi escrito com a intenção de criar um som que lembrasse o álbum "Solo", mas com técnicas de composição e produção mais modernas.

03 O novo álbum surgiu de um processo natural ou foi algo como "ok, agora vou começar a trabalhar no meu novo álbum"?

Clif Magness: Sim, eu decidi voltar minha atenção para escrever um novo álbum solo ao invés de me envlover com projetos de outros artistas.

04 Você deve ter escrito muito material para o álbum. Há alguma sobra de estúdio?

Clif Magness: Não, não há nenhuma.

05 Vamos fazer uma breve pausa: você deve ter uma montanha de material inédito. Há algum plano de lançar isso tudo?

Clif Magness: Eu tenho algumas demos que nunca foram gravadas em um HD, então eu poderia lançar uma coletânea do tipo "hidden tracks". E acredito que, se fizer isso, eu as manteria em sua forma demo. Há uma inocência e beleza naquele formato.

"Lucky Dog", lançado em Julho último
06 Ok, de volta a "Lucky Dog". O álbum tem uma sonoridade contemporânea - como deveria ser - mas ainda mantém uma aura AOR. Você acha que essa aura é inerente à sua maneira de compor? Aquelas estruturas melódicas tão características...

Clif Magness: O produtor tem a obrigação e o desejo de servir ao artista que produz em um determinado momento. O artista Clif Magness ama rock e é desse amor que surge a inspiração para escrever.

07 Você tocou todos os instrumentos em "Lucky Dog". Foi uma opção consciente ou apenas uma dessas coisas que simplesmente acontecem?

Clif Magness: A decisão de tocar todos os instrumentos não vem de um lugar narcisista. Eu sou filho de músicos. Eu aprendi a tocar piano com 7 anos e bateria com 10. A guitarra veio depois disso e, em seguida, o baixo. Sinceramente, eu amo tocar todos os instrumentos em um projeto. Eu fiz a mesma coisa no primeiro álbum da Avril Lavigne, "Let Go", e também nos álbuns da Kelly Clarkson e em outros também.

08 Assumir todos os instrumentos torna as gravações mais fáceis? Eu acredito que isso deva dar um enorme senso de controle sobre todo o processo...

Clif Magness: Isso certamente faz as coisas andarem mais rapidamente. Eu posso ter uma ideia e executá-la imediatamente, ao invés de ter que esperar uma sessão de gravação agendada acontecer. Mas eu sou fã de gravações com vários músicos simultaneamente. Há muita energia e colaboração naquele tipo de experiência.

09 Com a tecnologia disponível hoje, muitos artistas gravam seus álbuns em casa, trocando arquivos de áudio até o que trabalho esteja pronto. Em que dimensão você acha que isso afeta o resultado final, quando comparado à experiência de ter músicos no estúdio, tocando juntos?

Clif Magness: Esta é uma ótima pergunta e a resposta mais apropriada é que cada situação é diferente, dependendo do nível de musicalidade capacidade para compôr. Eu descobri que o Skype tende a travar e falhar, tornando a sessão disconexa e mal sucedida. Já o Facetime parece funcionar de maneira mais consistente.

10 Ok, vamos falar sobre as canções. Apesar de "Lucky Dog" ser bastante consistente, duas canções se sobressaem e são suficientes para convencer alguém a comprar o álbum. A primeira delas é "Unbroken", que você disse ser sua canção favorita no álbum. Por que?

Clif Magness: "Unbroken" representa, do ponto de vista da composição", a filosofia central de "Lucky Dog". A canção fala sobre superar a diversidade, seguir para frente depois de acontecimentos que tenham causado dor ou sofrimento. E sendo um compositor a maior parte da minha vida, considero "Unbroken" uma canção muito bem escrita. As harmonias foram muto divertidas de compôr e de interpretar também.

Planet 3: Jay Graydon, Clif Magness e Glen Ballard
11 Falando em harmonias, essa canção soa muito como o Planet 3. Quando você a escreveu a influência veio naturalmente ou foi algo planejado?

Clif Magness: Tudo foi muito planejado. Eu queria dar aos fãs o que eles queriam ouvir.

12 E já que falamos no Planet 3, não posso deixar de perguntar: Graydon está por aí. Ballard está por aí. Há alguma possibilidade de reunião da banda?

Clif Magness: (Risos) Eu falei com ambos há pouco tempo e não pareceu haver interesse. Mas quem sabe, com o lançamento de "Lucky Dog", o motor possa começar a funcionar novamente.

13 A outra canção é "Love Neds A Heart", lindo dueto com Robin Beck. Ela já havia gravado uma canção sua (a linda "Footprints In The Rain") e você é co-autor de 11 das 12 canções de seu álbum mais recente. Essa canção foi escrita para ser um dueto ou a ideia surgiu ao longo do processo de composição?

Clif Magness: Sou fã de Robin há muitos anos. Tenho grande respeito por ela e sua voz. Eu perguntei à ela se estaria interessada em compor e gravar um dueto e ela se animou. Convidamos uma nova compositora, chamada Sherrie Adams, para se juntar a nós em uma chamada no FaceTime e escrevemos a canção em cerca de uma hora.

14 Você chegou a considerar outra pessoa para gravar esse dueto?

Clif Magness: Não, de maneira alguma.

15 E já que a colaboração entre vocês deu tão certo, um projeto Beck/Magness seria algo improvável?

Clif Magness: Eu adoraria!

16 Analisando o álbum, de maneira geral, quão difícil foi criar uma identidade para ele, com uma sonoridade contemporânea sem fazê-lo soar "muito moderno", mas também mantendo aquela aura AOR sem que o álbum soasse datado?

Clif Magness: Outra ótima pergunta. A primeira canção que escrevi para "Lucky Dog" foi "Ain't No Way". E eu sendo fã de "Panama", do Van Halen, não é difícil perceber a inspiração. Liguei para um colaborador de longa data chamado Mark Muller (co-autor de "If We Can't Do It", "It's Only Love" e "What's A Heart To Do?") para me ajudar com as letras. Juntos, criamos o que considero um novo olhar dessa aura AOR e jogamos algumas técnicas de produção mais modernas. E assim acabamos definindo a direção musical do álbum.

17 Me permita aqui uma pergunta de fã: em relação as bonus tracks das edições japonesas, elas tem sido, previsivelmente, versões acústicas. Você pode escolher qual canção será gravada naquele formato ou a gravadora faz esse papel?

Clif Magness: Eu escolhi "Nobody But You" porque achei que ela cai bem na guitarra acústica, orgânica e natural do estilo.

18 Você preferiria uma canção inédita como bonus track, ao invés da versão acústica de uma canção já presente no tracklist?

Clif Magness, circa 2018
Clif Magness: Acredito que a filosofia da bonus track da edição japonesa seja que os fãs possam apreciar duas versões da mesma canção. Mera familiaridade.

19 Você levou 24 anos para nos agraciar com um novo álbum. Eu espero que não tenhamos que esperar tanto tempo pelo novo trabalho...

Clif Magness: Eu planejo começar a compôr para o novo álbum em muito, muito breve. Definitivamente não vou esperar outros 24 anos.

Clif, foi um grande prazer conversar contigo. Espero que possamos fazer isso mais vezes e espero que possamos ter mais material seu em breve. As portas da AORWatchTower estão sempre abertas a você...

Clif Magness: Juliano, muito obrigado pela oportunidade de falarmos sobre essa mídia que amamos, que é a música. Muito obrigado a AORWatchTower pelo tremendo apoio. E finalmente, obrigado a todos os fãs que apoiam minhas empreitadas criativas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Um dos grandes nomes do movimento RetroWave (se você curte aquela musicalidade pasteurizada dos anos 80, repleta de baterias eletrônicas ...