sexta-feira, 29 de março de 2019

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Um dos nomes mais respeitados no universo dos bons sons, Michael Thompson já emprestou seus talentos a uma infinidade de grandes nomes do rock, pop e country, além de ter uma extensa carreira criando material para vários programas na televisão e cinema. Em 1989 criou sua própria banda e o álbum "How Long", gravado em 1989 com o excelente vocalista Moon Calhoun, permanece como uma referência daquele período. Um segundo trabalho surgiria em 2012, batizado de "Future Past", com o vocalista Larry King, com boas canções e produção, mas muito distante do AOR que tdos esperavam. Agora, Thompson retorna com "Love And Beyond", álbum que conta com os vocais de King uma vez mais, mas que também coloca Larry Antonino (da Unruly Child) e o legendário Mark Spiro atrás do microfone. Cercado de músicos experientes e com um belo conjunto de canções, Thompson não tinha como errar.

O álbum tem uma trilha de abertura suave, que prepara ao caminho para "Love & Beyond", um rocker envolvente e elegante, com baixo na linha de frente e guitarra pontuando a base que conduz a um refrão cativante, característica que se repete na ótima "Save Yourself", outro rocker que transborda classe em todos os aspectos, principalmente no solo que Mr. Thompson faz. Em "Passengers" temos um início sonolento, rapidamente mudado com a chegada rompante dos instrumentos que trazem uma melodia caprichada, além de um refrão marcante, enquanto "Supersonic" exala AOR por todos os lados, graças ao arranjo imponente e aos inconfundíveis vocais de Mark Spiro, brilhante como sempre.

Passamos mais um interlúdio até "Don't Look Down", rocker com arranjo mais despojado e com sonoridade contemporânea, mas sem exageros. Já "Far Away" é um mid-pacer envolvente, com punch e um refrão emocionante, enquanto "Love Was Never Blind" é um rocker com arranjo bem elaborado e guitarras brilhando em todas as frentes. Por outro lado, "Flying Without Wings" é um lindo mid-pacer que conta, uma vez mais com os marcantes vocais de Mark Spiro (que certamente é autor da canção), então você já sabe o que esperar.

E na reta final do álbum temos "Just Stardust" (rocker imponente com lindas guitarras) e a balada intimista "What Will I Be Without You" e seu refrão brilhante, enquanto "Starting Over" é igualmente intimista, mas com arranjo mais simples (mas igualmente eficiente) e guitarras mais evidentes no refrão ácido, e a instrumental "'Til We Live Again" fecha o álbum de maneira discreta, mas apropriada.

Michael Thompson Band, circa 2019: Antonino, King,
Thompson, Allison e Gonzales
Em resumo, caríssimas e caríssimos, "Love And Beyond" é soa como a mistura perfeita entre o AOR clássico de "How Long" e a sonoridade mais contemporânea de "Future Past". Ainda, é inegável a grandiosa contribuição que Larry Antonino e Mark Spiro deram ao álbum, e não apenas como intérpretes, mas principalmente como compositores. O álbum tem imponência mesmo sem soar grandioso o tempo todo (e com uma produção excelente) e os arranjos mostram versatilidade e muito bom gosto, elementos que ambos trouxeram para somar aos talentos de Mr. Thompson, que se mostra em plena forma, desfilando técnica e classe em doses cavalares. Espero que não tenhamos que esperar tanto tempo por mais material desse projeto que parece ter reencontrado seu caminho, e já não era sem tempo. Um belíssimo trabalho que merece um lugar em sua coleção.

MICHAEL THOMPSON BAND - Love And Beyond
To be released on April 26th, via Frontiers Records
Cat. #FR CD 945

Tracklist
01 Opening
02 Love & Beyond
03 Save Yourself (ouça a canção aqui)
04 Passengers
05 Red Sun (Interlude)
06 Supersonic
07 La Perouse (Interlude)
08 Don't Look Down
09 Far Away
10 Penny Laughed (Interlude)
11 Love Was Never Blind
12 Black Moon (Interlude)
13 Flying Without Wings
14 Forbidden City (Interlude)
15 Just Stardust
16 What Will I Be Without You
17 Starting Over
18 'Til We Meet Again

Musicians
Michael Thompson: guitars
Mark Spiro: vocals
Larry King: vocals
Larry Antonino: vocals, bass
Guy Allison: keyboards
Sergio Gonzales: drums
Tim Pedersen: drums

Nenhum comentário:

Postar um comentário

JEFF SCOTT SOTO DIZ: "NÃO QUERO ENGANAR NINGUÉM"

O grande Jeff Scott Soto, circa 2020 Em anos recentes, cada vez mais artistas têm usado recursos tecnológicos para que seus shows soem mais ...